Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bares e restaurantes esperam que governo anuncie socorro nesta segunda

'É um dia muito importante para a credibilidade do governo', diz o presidente da entidade; governo prometeu ajuda financeira por três meses ao setor

Por Robson Bonin - Atualizado em 23 mar 2020, 13h12 - Publicado em 23 mar 2020, 05h38

Depois de prever um colapso no setor que emprega seis milhões de trabalhadores e pode ter que demitir até três milhões desse contingente, Paulo Solmucci, presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, diz esperar que o governo — e, em especial, Jair Bolsonaro — cumpra nesta segunda a promessa de socorrer o segmento.

A Abrasel espera que o governo anuncie um pacote de socorro ao setor que incluiria o pagamento de uma espécie de bolsa aos três milhões de trabalhadores de bares e restaurantes durante os próximos três meses.

Com o agravamento da crise do coronavírus, com fechamento de comércio e restrições de circulação em todo o país, o setor é um dos primeiros a sentir os impactos econômicos da pandemia.

Se o governo não cumprir o que prometeu, diz Solmucci, o país corre o risco de mergulhar em uma nova crise. “Muitos dos nossos trabalhadores dizem que não sabem como irão viver sem o emprego. É um risco muito grande deixar toda essa gente sem assistência nessa hora”, diz Solmucci.

Continua após a publicidade

Para o presidente da entidade, a segunda é também o momento de o governo mostrar ao país que promete o que cumpre. Na semana passada, ele esteve com Jair Bolsonaro e integrantes da equipe econômica. A liberação do socorro foi prometida, mas no fim de semana integrantes do governo deixaram em aberto a situação.

“Esta segunda é um dia muito importante para a credibilidade do governo. Será o fim da picada não cumprir a promessa de socorro ao setor, uma demonstração de que não dá para confiar no que diz o governo”, diz Solmucci.

Publicidade