Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Atiradores bolsonaristas planejam passeata armamentista na Esplanada

Objetivo é protestar contra a 'demonização' de quem gosta e usa armas; orientação é para que manifestantes deixem as armas em casa

Por Evandro Éboli - Atualizado em 1 jul 2020, 11h14 - Publicado em 1 jul 2020, 09h23

Uma inusitada manifestação com passeata de atiradores está anunciada para ocorrer Brasília, na próxima semana, em 9 de julho. A concentração será em frente a Catedral Metropolitana, na Esplanada dos Ministérios.

O objetivo de quem organiza é tentar melhorar a imagem de agressividade e reduzir “demonização” contra esse pessoal que gosta de armas, segundo as lideranças do ato. Na convocação, num vídeo, um desses líderes do Movimento Pró-Armas, Marcos Pollon, recomenda que os manifestantes que têm o porte evitem de levar suas armas.

ASSINE VEJA

Wassef: ‘Fiz para proteger o presidente’ Leia nesta edição: entrevista exclusiva com o advogado que escondeu Fabrício Queiroz, a estabilização no número de mortes por Covid-19 no Brasil e os novos caminhos para a educação
Clique e Assine

“Neste momento é importante que não esteja (com a arma), por favor. Pode gerar alguma interpretação, ou coisa ruim”, recomenda Pollon.

Outro pedido é que deixem em casa o combo EDC (sigla de everyday carry, aquilo que se carrega todo dia), e que ganhou o significado de estojo com canivete, lanterna e outros: “Façam mais esse esforço de não levar o EDC para não ter nenhum incidente e não termos no final aquela imagem do capô de carro da polícia com monte de canivetes em cima”.

A passeata é contra o risco de um “desarmamento absoluto”, diz Pollon, e tentar “desconstruir imagem de agressividade que colocaram na nossa conta por preconceito”.

Uma das reivindicações dos armamentistas é que “que esteja esculpido na Constituição o porte de armas como cláusula pétrea”.

Bolsonarista, a turma diz que “já ganhamos a eleição”. Todos irão vestindo roupa branca, para mostrar que se trata de uma caminha pacífica. “A pauta é mostrar que somos ordeiros. O cenário é de instabilidade e de risco de um desarmamento absoluto. Há ministros hostis, imprensa e parlamentares. Vamos mostrar que estão errados. Ganhamos a eleição. Não precisamos de nada extraordinário, mas que se cumpra a regra do jogo”, afirma Pollon no vídeo.

Um bispo ligado à catedral já foi alvo de ameaças por um bolsonarista, que era ligado a um dos acampamentos que estavam na Esplanada. De qualquer maneira, a informação da manifestação já chegou à Arquidiocese, que está atenta.

 

Continua após a publicidade
Publicidade