Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Associação de juízes critica medidas do governo para os trabalhadores

Anamatra entende que flexibilizar salário e jornada por medida provisória é inconstitucional e fragiliza o trabalhador

Por Evandro Éboli Atualizado em 19 mar 2020, 12h44 - Publicado em 19 mar 2020, 12h45

Para a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) as medidas anunciadas ontem pelo governo de redução de jornada e de salário são nocivas ao trabalhador e inconstitucionais.

“Qualquer medida que tenha como norte, neste momento, a redução de salários é precipitada e potencialmente nociva ao trabalhador. Alternativas válidas, considerando a Constituição, podem passar por ideias como a flexibilização de banco de horas para permitir a reposição daqueles não trabalhados por um período especial”, afirma, em nota, a juíza Noemia Porto, presidente da Anamatra.

“É viável, ainda, a alternativa de férias coletivas. Em ambas, ou qualquer outra, é fundamental que as entidades coletivas, os sindicatos, sejam chamados para as mediações necessárias. São algumas das medidas viáveis, sem infringir a Constituição”, completou Noemia.

A juíza afirma ainda que simplesmente autorizar negociação individual para diminuir jornada e salário irá trazer insegurança jurídica. É contra redução de salário por medida provisória.

“A situação é grave, porém ainda mais dramática para os mais vulneráveis”.

Continua após a publicidade

Publicidade