Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

As divergências entre Cunha e Antonio Fernando

Vendo a necessidade de se defender não só juridicamente, mas também de se defender (ou atacar) politicamente, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e seu advogado, Antonio Fernando Souza, têm divergido em alguns dos rumos das ações que correm no STF. Um exemplo foi o pedido de suspensão dos processos até que Cunha deixe a […]

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 23h41 - Publicado em 20 jan 2016, 17h44
Antonio Fernando: dublê de ex-PGR e advogado

Estratégias diferentes

Vendo a necessidade de se defender não só juridicamente, mas também de se defender (ou atacar) politicamente, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e seu advogado, Antonio Fernando Souza, têm divergido em alguns dos rumos das ações que correm no STF.

Um exemplo foi o pedido de suspensão dos processos até que Cunha deixe a presidência da Câmara, feito num documento em que é buscada analogia com o caso de Dilma Rousseff.

Sem entrar no mérito de se havia ou não elementos para uma investigação, Rodrigo Janot disse ao STF que não haveria inquéritos sobre a presidente pois a Constituição impede a responsabilização do mandatário da nação por atos estranhos ao exercício de suas funções.

Souza tentou, em vão, convencer Cunha a não enviar tal peça ao STF. Como em outros casos, não obteve êxito e teve de sustentar o pedido, mesmo a contragosto.

Continua após a publicidade
Publicidade