Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Após derrota no STJ, Witzel diz jamais ter cometido ‘atos ilícitos’

Governador teve afastamento de 180 dias confirmado pelos ministros da Corte Especial

Por Mariana Muniz Atualizado em 2 set 2020, 18h36 - Publicado em 2 set 2020, 18h25

Após a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça ter atingido maioria de votos para confirmar seu afastamento do cargo de governador por 180 dias, Wilson Witzel disse “respeitar a decisão” mas reafirmou jamais ter cometido “atos ilícitos”.

“Respeito a decisão do Superior Tribunal de Justiça. Compreendo a conduta dos magistrados diante da gravidade dos fatos apresentados. Mas, reafirmo que jamais cometi atos ilícitos”, escreveu o governador afastado no Twitter.

Ao longo de toda a sessão de julgamentos, os ministros, ao analisarem a decisão de Benedito Gonçalves, ressaltaram a gravidade das condutas supostamente cometidas por Witzel — presentes na denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República, que atribui ao governador a chefia da “sofisticada organização criminosa” estabelecida no estado.

Um dos integrantes da Corte, o ministro Luís Felipe Salomão observou que, de acordo com narrado pela PGR, com o andamento das investigações, “verificou-se a existência de ilícitos muito mais abrangentes do que aqueles eque envolvem as ações de combate à pandemia, incluindo nomeações em cargos-chafe de pessoas de dentro do esquema e vinculadas aos três grupos supostamente criminosos”.

A confirmação do afastamento de Witzel do governo do Rio foi por ampla maioria: doze dos dez ministros necessários para manutenção da medida.

Continua após a publicidade
Publicidade