Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Aos poucos, Crivella impõe agenda evangélica ao Rio

Prefeito corta verba para o Carnaval e sufoca políticas públicas para a população LGBT

Por Ernesto Neves - Atualizado em 14 jun 2017, 12h24 - Publicado em 14 jun 2017, 09h31

Progressivamente, Marcelo Crivella impõe ao Rio a ultraconservadora agenda de sua Igreja Universal.

Só nesta semana, foram dois golpes.

O primeiro foi o corte de metade da verba destinada ao Carnaval. Nos últimos dois anos, cada escola recebeu R$ 2 milhões de subsídio. Crivella quer só 50% disso.

O segundo, o rebaixamento da Coordenadoria de Diversidade Sexual, que perderá autonomia para criar políticas públicas que auxiliem a população LGBT.

Continua após a publicidade

Atualização:

A prefeitura do Rio diz que “a Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual (CEDS- Rio) recebe apoio para o desenvolvimento de projetos que combatam à discriminação e incentivem a inclusão. 

A prefeitura afirma ainda que “foram iniciados o período de formação e estágio, que inclui uma bolsa-auxílio de um salário-mínimo, passagem e alimentação para os alunos e alunas trans, dentro dos projetos Damas e Trans+Respeito”. 

Publicidade