Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Ao lado de Alcolumbre, Mandetta reforça o apelo: ‘Fiquem em casa’

Enquanto Bolsonaro sabota ação da Saúde, ministro se une ao Congresso: 'Se não fizer o isolamento agora, vai fazer ali na frente por imposição da doença'

Por Robson Bonin Atualizado em 11 abr 2020, 16h05 - Publicado em 11 abr 2020, 15h53

Enquanto Jair Bolsonaro continua sabotando o isolamento social – principal estratégia preventiva do Ministério da Saúde e do planeta no combate ao coronavírus –, Luiz Henrique Mandetta gravou um vídeo neste sábado com o presidente do Congresso, Davi Alcolumbre, para reforçar o apelo para que as pessoas ignorem o presidente e continuem em casa.

“A velocidade e propagação de doença é muito rápida. Por isso a gente insiste, façam um sacrifício (e fiquem em casa)”, disse Mandetta. “Eu sei que é duro pedir para as pessoas não abrirem seus comércios, mas isso é o mais correto, porque, se não fizerem agora, vão fazer ali na frente por imposição da doença”, complementou o ministro.

No vídeo Alcolumbre diz que discutiu o cenário nacional da pandemia. O chefe do Legislativo reforça o apoio ao ministro e fala da importância de as pessoas ficarem em casa.

Na edição de VEJA que está nas bancas, o Radar mostra como Davi costurou com o presidente do STF, Dias Toffoli, e com o chefe da Câmara, Rodrigo Maia, um acordo para neutralizar as medidas temerárias adotadas por Bolsonaro na condução da crise.

Legislativo e Judiciário vão blindar as ações de Mandetta na Saúde e evitar que o Planalto coloque em risco o trabalho técnico do Ministério da Saúde.

Ainda no vídeo, Mandetta e Alcolumbre anunciam o envio de respiradores ao Amapá, reduto político do presidente do Senado, e alertam os brasileiros para o fato já registrado em outros países que não respeitaram o isolamento social. Se muitas pessoas foram contaminadas ao mesmo tempo, faltarão equipamentos e leitos para salvar a vida de todos.

Continua após a publicidade
Publicidade