Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Antes de recuar, Alckmin fez o que repudiou em Lula

O governador diminuiu a gravidade do atentado sofrido pela caravana do ex-presidente no Rio Grande do Sul

Por Pedro Carvalho 28 mar 2018, 16h33

É verdade que Geraldo Alckmin recuou nesta manhã da infeliz declaração que deu na noite da última terça-feira (27) quanto aos tiros que a caravana do ex-presidente Lula levou no interior do Rio Grande do Sul.

A nova declaração demorou algumas horas, mas veio. O pedido de desculpas, não.

O governador de São Paulo chegou a dizer que o PT “colhe o que planta”quanto ao ataque sofrido. No começo desta manhã, diminuiu o tom e repudiou toda forma de violência. Pois bem.

Não é de se esquecer a reação da tucanada quando a “violência” é contra eles. Em 2010, o então candidato à Presidência, José Serra, foi atingido por uma bolinha de papel na cabeça. À época, o repúdio foi instantâneo.

Na oportunidade, Alckmin não demorou algumas horas para condenar veementemente aquele atentado. O governador chegou a dizer que Lula dava “mau exemplo” e “incitava a violência”ao não recriminar a agressão.

Continua após a publicidade
Publicidade