Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Amigos defendem saída de Regina do governo, após ‘facada’ de Bolsonaro

Secretária de Cultura foi pega de surpresa com nomeação de ex-diretor da Funarte demitido por ela

Por Mariana Muniz - Atualizado em 5 Maio 2020, 13h22 - Publicado em 5 Maio 2020, 12h38

Regina Duarte começou a semana em um sonho cor de rosa. Apesar de todos os sinais de atropelo que vinham de Jair Bolsonaro na semana passada, a secretária acreditou que seria diferente – e chegou até mesmo a ver na fala do presidente, na última terça, uma demonstração de que nem tudo estava perdido – nesta semana, quando encontraria o presidente.

Nesta segunda, a atriz saiu do isolamento social, em São Paulo, rumo a Brasília cheia de planos para seu verdadeiro começo no governo na quarta, quando teria uma reunião de trabalho com o presidente.

ASSINE VEJA

Moro fala a VEJA: ‘Não sou mentiroso’ Em entrevista exclusiva, ex-ministro diz que apresentará provas no STF das acusações contra Bolsonaro. E mais: a pandemia nas favelas e o médico brasileiro na linha de frente contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine

Nessa conversa, Regina esperava obter o respaldo até hoje lhe sonegado por Bolsonaro. Interlocutores da secretária garantem que ela estava convicta de que deixaria o Planalto com as nomeações que restavam para sua gestão garantidas e até com a solução para o desbloqueio de verbas do Fundo Nacional de Cultura.

Os planos de Regina, contudo, foram atropelados pelo amargor da realidade bolsonarista. Em uma publicação extra do Diário Oficial, o Planalto, em evidente desprezo ao trabalho de Regina, levou ao Diário Oficial da União a nomeação de Dante Mantovani para o comando da Funarte. Justamente o ex-diretor que fora o primeiro a ser demitido pela atriz, após a posse, há dois meses.

Continua após a publicidade

Quem conhece Regina, diz que ela não sabia de nada e que a nomeação de Mantovani, à sua revelia, pegou a atriz completamente desprevenida. “Foi uma punhalada, ou melhor, facada, nela. E essa a gente sabe que teve mandante”, confidenciou ao Radar uma fonte próxima a Regina.

O sentimento de amigos da atriz é de que a volta do ex-diretor da Funarte representa a gota d’água que faltava para que Regina chegasse ao seu limite. Regina pedirá demissão?

A conferir como o drama da secretária de Cultura se desenrola no palco de Brasília nas próximas horas.

Publicidade