Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Amigo de Genoino no CNMP agora integra conselho do PT

O ex-conselheiro do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) Luiz Moreira, que ficou conhecido por ser o homem de José Genoino no órgão, e depois foi flagrado pela Lava-Jato trocando mensagens com Fernando Collor, reapareceu nesta segunda-feira na reunião do conselho político do PT. Luiz Moreira foi conselheiro do CNMP em dois mandatos, mas ficou vários […]

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 23h31 - Publicado em 16 fev 2016, 10h02
Moreira (de gravata rosa): no conselho do PT

Moreira (de gravata rosa): no conselho do PT

O ex-conselheiro do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) Luiz Moreira, que ficou conhecido por ser o homem de José Genoino no órgão, e depois foi flagrado pela Lava-Jato trocando mensagens com Fernando Collor, reapareceu nesta segunda-feira na reunião do conselho político do PT.

Luiz Moreira foi conselheiro do CNMP em dois mandatos, mas ficou vários meses afastado em 2012 e 2013, quando respondia a várias investigações.

Foi processado pela Justiça Federal no Ceará sob a acusação de crime de falsidade ideológica. Moreira foi acusado de fornecer documento falso sobre seu domicílio, ao tentar, em março de 2012, obter inscrição na seccional da Ordem dos Advogados do Brasil no Ceará, sem prestar exame, quando morava em Minas.

Indicado pela Câmara para o conselho, Moreira usou carro oficial 54 vezes em 2012 para visitas ao Ministério da Defesa para se encontrar com Genoino, que era assessor lá na época.

“Sou deficiente físico. Genoino servia para mim café da manhã e jantar, e eu devolvia a gentileza trazendo-o do hotel até o Ministério da Defesa e de lá ia para o Conselho”, afirmou, em sua defesa, na época.

Nas mensagens com Collor, Moreira informou ao senador que ele seria alvo de inquérito na Lava-Jato e pediu conselhos para sua campanha para ministro do STF — na vaga que foi preenchida por Luiz Fachin.

Pela proximidade com a cúpula do PT, demonstrada nesta segunda, ele ainda não desistiu de tentar politicamente uma vaga na corte.

Continua após a publicidade

Publicidade