Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Ameaça golpista de Heleno ao STF tenta tirar foco do vídeo

Ministro se manifestou sobre ordem inexistente de apreensão do celular de Bolsonaro; objetivo é desviar o foco do vídeo que deixará o governo nu

Por Robson Bonin - Atualizado em 22 maio 2020, 16h07 - Publicado em 22 maio 2020, 15h56

Augusto Heleno revelou nesta sexta-feira a vocação autoritária de suas funções no Gabinete de Segurança Institucional da Presidência. Diante de uma falsa notícia de que o STF havia enviado à Procuradoria-Geral da República um pedido de apreensão do celular do presidente da República – o que Celso de Mello fez foi seguir o regimento Jurídico e dar voz à PGR sobre pedidos protocolados no tribunal, sem resolução de mérito -, Heleno divulgou um “comunicado à Nação”.

“O pedido de apreensão do celular do presidente da República é inconcebível e, até certo ponto, inacreditável”, diz o general.

A nota é indispensável. Poderia ter parado por aí ou nem existido, afinal, não há “pedido de apreensão”. Mas o general avançou. “Caso se efetivasse, seria uma afronta à autoridade máxima do Executivo, uma interferência inadmissível de outro poder na privacidade do presidente da República e na segurança institucional do país”, disse Heleno.

ASSINE VEJA

Coronavírus: ninguém está imune Como a pandemia afeta crianças e adolescentes, a delação que ameaça Witzel e mais. Leia na edição da semana
Clique e Assine

Até esse ponto, o choro desnecessário de sempre do general. Mas aí veio o último parágrafo da nota. Já vestido com o pijama de batalha, Heleno nomeou-se no cargo de ameaçador geral da União para escrever o seguinte:

Continua após a publicidade

“O GSI alerta as autoridades constituídas que tal atitude é uma evidente tentativa de comprometer a harmonia entre os poderes e poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional”.

A nota do general é mais uma dessas firulas golpistas alimentadas pelo palácio. Vem poucas horas antes de o STF divulgar o vídeo que deixará Bolsonaro e seu governo nu em imagem e som. Daí a necessidade de se criar mais uma crise.

Publicidade