Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Alteração em medida provisória é vista como revés contra energia eólica

Prevista para ser votada na próxima semana na Câmara, a Medida Provisória 735 recebeu de última hora um adendo que deve afetar o setor eólico no Brasil. Com objetivo de destravar o setor elétrico e incentivar as privatizações, a MP sofreu um adendo que retira da produção de energia eólica e da biomassa o desconto que estas fontes possuem na tarifa de transmissão […]

energia-eletrica-torre-alta-tensao-20110307-29-size-598

MP-735: nova polêmica no setor elétrico

Prevista para ser votada na próxima semana na Câmara, a Medida Provisória 735 recebeu de última hora um adendo que deve afetar o setor eólico no Brasil.

Com objetivo de destravar o setor elétrico e incentivar as privatizações, a MP sofreu um adendo que retira da produção de energia eólica e da biomassa o desconto que estas fontes possuem na tarifa de transmissão e distribuição.

Atualmente, as fontes eólica, solar, de biomassa e as pequenas centrais hidrelétricas possuem tal desconto. O alívio faz com que estas matrizes sejam comercializadas em equilíbrio de condições. Logo, se extinto o desconto, haverá uma assimetria de preços entre as energias renováveis.

O “jabuti” vai contra o discurso do BNDES. Nesta semana, o banco anunciou novo plano de financiamentos, com forte sinalização da importância da energia eólica para o futuro da matriz elétrica.

Atualização: O Ministério das Minas e Energia afirma que as mudanças não vão afetar o setor. Veja íntegra da nota divulgada pelo órgão abaixo:

“O Ministério de Minas e Energia informa que não procede a afirmação de que haverá assimetria de preços entre essas fontes.  Na verdade, a aplicação da medida significa menos custos para o consumidor de energia, que hoje paga mais caro na conta de luz devido a esse subsídio.

A ação se alinha nos esforços de redução dos encargos do setor elétrico, que hoje oneram os consumidores, e melhora a informação do preço efetivo de cada fonte.

O MME entende a importância da fonte eólica na matriz energética brasileira, o que motiva a realização de leilões específicos para essa fonte, garantindo a sua inserção no mercado pelo preço adequado, que se revela na competição pelos empreendedores eólicos, com redução de custos e de preço da energia ao longo dos últimos anos.

A emenda, que foi incluída no Congresso durante o trâmite Legislativo, ainda estabelece que o desconto será retirado apenas após o quinto ano de operação dos novos empreendimentos. Aos antigos, o desconto fica assegurado até o fim da outorga”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s