Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Advogado de Okamotto nega falsidade em notas emitidas pela OAS

A coletiva da Lava-Jato nem terminou e os advogados complicados na nova denúncia do Ministério Público já estão se mexendo. Fernando Fernandes, representante de Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, negou que haja qualquer falsidade nas notas fiscais emitidas pela OAS. Para ele, os procuradores criaram uma nova modalidade de corrupção: quando não há vantagem […]

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h51 - Publicado em 14 set 2016, 17h50
Lula e Okamotto

Lula e Okamotto

A coletiva da Lava-Jato nem terminou e os advogados complicados na nova denúncia do Ministério Público já estão se mexendo. Fernando Fernandes, representante de Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, negou que haja qualquer falsidade nas notas fiscais emitidas pela OAS.

Para ele, os procuradores criaram uma nova modalidade de corrupção: quando não há vantagem ilícita.

O valor pago pela OAS seria para a conservação de um acervo considerado como patrimônio cultural brasileiro. “A nota fiscal foi emitida em nome da empreiteira que contribuiu e não houve qualquer falsidade. O valor foi para a empresa que mantinha o acervo em depósito”, disse.

Aos que esperavam por uma confissão de crime, Fernandes até admitiu lavagem… Mas não a que complicaria o petista ou Okamotto. “A única lavagem que poderia existir é dos abusos cometidos, da condução coercitiva do presidente Lula e do Presidente do Instituto”, disse

Continua após a publicidade
Publicidade