Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Pedro Carvalho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Acusada de racismo, bancada da bala ameaça ir à Justiça se a placa voltar

Líder do grupo, Capitão Augusto fala até em risco de alguém voltar a tirá-la à força, como fez o coronel Tadeu

Por Evandro Éboli - Atualizado em 20 nov 2019, 14h53 - Publicado em 20 nov 2019, 13h17

Deputados da bancada bala saíram de uma reunião com Rodrigo Maia no início desta tarde. Discutiram o destino da placa do jovem negro morto por um policial militar, destruída ontem pelo Coronel Tadeu (PSL-SP), que estava nesse encontro e usou a palavra.

Não houve consenso. O líder do grupo, Capitão Augusto (PL-SP), repetiu que o painel é uma agressão a instituição da PM e contou que, se a imagem for recolocada na exposição, eles irão acionar a Justiça.

E acha possível que alguém volte a retirá-la na força.

“Tudo é possível. Se a placa voltar, com certeza, vamos judicializar. Não aceitamos o retorno. Não sei como ele (Maia) vai resolver isso”, disse Augusto ao Radar.

Publicidade

Mais cedo, as deputadas Benedita da Silva (PT-SP) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ) estiveram com o presidente da Câmara e pediram a volta da imagem para a exposição com o motivo do Dia da Consciência Negra.

Ontem, no plenário, Maia classificou a atitude de Tadeu como “muito grave”.

Publicidade