Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Ações judiciais aproximam adversários históricos no Amapá

Tão perto e tão longe

Por Pedro Carvalho Atualizado em 24 out 2019, 22h28 - Publicado em 24 out 2019, 11h15

Os empréstimos consignados colocaram dois adversários históricos do Amapá do mesmo lado. O governador Waldez Góes (PDT) e Camilo Capiberibe (PSB) são alvos de ações judiciais por terem atrasado pagamentos aos bancos de valores descontados da folha dos servidores. Capiberibe foi absolvido na semana passada pela Justiça do Amapá. Góes será julgado em novembro.

(ATUALIZAÇÃO: A assessoria do ex-governador Camilo Capiperibe entrou em contato com a coluna e enviou a seguinte nota:
A Justiça do Estado do Amapá julgou improcedente a acusação contra o ex-governador Camilo Capiberibe, feita pela Procuradoria Geral do Estado do Amapá, em 2015, na gestão de Waldez Góes, na tentativa de nivelá-los por baixo.
A juíza Alaíde Maria de Paula, da 4ª Vara Cível e de Fazenda Pública de Macapá, julgou improcedentes os pedidos iniciais e extinguiu o processo, inocentando o ex-governador Camilo por não encontrar fundamento em fatos para a acusação. “(…) não vislumbro, na atuação dos requeridos, desonestidade ou intenção de ofender a moralidade, impessoalidade, ou legalidade, porquanto ausente prova de que tenham se apropriado dos valores”, escreveu. Confirma, portanto, que não houve culpa nem apropriação de recursos.
Na decisão, a juíza aponta que a ausência do pagamento da parcela de dezembro de 2014, vencida em janeiro de 2015, é de responsabilidade de Waldez Góes.
Já o recurso do Ministério Público Federal ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra Waldez Góes está com 7 votos pela condenação do atual gestor).

Publicidade