Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A velha política do clã Bolsonaro em Angra dos Reis

Ex-assessora investigada por ser funcionária fantasma na Câmara ganha apoio eleitoral de Flávio Bolsonaro

Por Mariana Muniz Atualizado em 9 dez 2020, 10h31 - Publicado em 7 jul 2020, 08h38

O clã Bolsonaro saiu eleito das urnas de 2018 com um discurso em defesa da nova política, mas o que se viu no fim de semana, em Angra dos Reis, foi o antiquado apadrinhamento eleitoral de coronelato político.

Flávio Bolsonaro lançou, em uma agenda federal, a candidatura de Wal do Açaí à Câmara de Vereadores de Angra dos Reis, o balneário onde a primeira-família tem casa de veraneio.

ASSINE VEJA

Leia nesta edição: a pacificação do Executivo nas relações com o Congresso e ao Supremo, os diferentes números da Covid-19 nos estados brasileiros e novas revelações sobre o caso Queiroz
Governo Bolsonaro: Sinais de paz Leia nesta edição: a pacificação do Executivo nas relações com o Congresso e ao Supremo, os diferentes números da Covid-19 nos estados brasileiros e novas revelações sobre o caso Queiroz
Clique e Assine

As credenciais de Wal para entrar na vida pública com o codinome “Wal do Bolsonaro” são conhecidas. Ela é suspeita de ser funcionária fantasma do gabinete de Jair Bolsonaro nos tempos de deputado enquanto o marido trabalhava para ele como caseiro.

O caso foi revelado pela Folha em 2018. Walderice Santos da Conceição, 49, figurava desde 2003 como um dos 14 funcionários do gabinete parlamentar de Bolsonaro, em Brasília, recebendo salário bruto de 1.351,46 reais. Segundo o jornal, o marido de Wal, Edenilson, prestava serviços de caseiro para Bolsonaro.

Como se sabe, a prática de tratar a política como uma capitania hereditária, colocando “os seus”, é das mais comuns nos estados comandados pelas antigas oligarquias reinantes Brasil afora. E que começaram a perder força graças ao discurso da “nova política”.

Nada se assemelha mais a um “Saquarema” do que um “Luzia” no poder.

Continua após a publicidade
Publicidade