Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A PEC que assombra

Os líderes da base aliada do Congresso têm duas certezas: o Palácio do Planalto está conduzindo mal a tramitação da PEC dos Magistrados e o caldo está às vésperas de entornar. Representantes da tropa de choque do governo já avisaram que não conseguirão segurar a votação do projeto por muito tempo e pediram à turma […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 03h43 - Publicado em 5 jun 2014, 11h23
Monitorando o risco

Líderes pediram ajuda

Os líderes da base aliada do Congresso têm duas certezas: o Palácio do Planalto está conduzindo mal a tramitação da PEC dos Magistrados e o caldo está às vésperas de entornar.

Representantes da tropa de choque do governo já avisaram que não conseguirão segurar a votação do projeto por muito tempo e pediram à turma de Dilma Rousseff para chamar a categoria num canto e ouvir, ou seja, reabrir negociação para estancar o assunto no Legislativo.

Os líderes alertam: com o poder de lobby do Judiciário, não convém deixar o pepino apenas nos gabinetes do Parlamento. Seria preciso o executivo agir o quanto antes. O recado já chegou a Aloizio Mercadante e Ricardo Berzoini. E até agora, nada…

A base tem como fatura liquidada: quando a PEC sair da Comissão de Constituição e Justiça e voltar ao plenário, não haverá como conter os danos.

A PEC significa um acréscimo de 3 bilhões de reais ao ano ao caixa do Tesouro.  Se for retroativa, essa fatura decuplica. Sua aprovação será um desaste para as contas públicas.

Continua após a publicidade
Publicidade