Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A luta de um cacique do centrão para limpar o nome no Serasa

Valdemar Costa Neto diz que é homem de bem e que está sendo constrangido por débito inexistente

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 3 set 2021, 11h43 - Publicado em 3 set 2021, 11h15

O presidente do PL Valdemar Costa Neto foi à Justiça de São Paulo pedir a exclusão do seu nome do Serasa após não pagar uma dívida de 6 400 reais em 2019.

De acordo com a defesa, ele não contraiu o débito e nunca realizou compras na empresa que inseriu seu nome no órgão — uma loja de ração para animais de São José do Rio Preto.

“O autor é pessoa séria, cumpridor de suas obrigações e deveres (…) pessoa de bem e nunca teve seu nome constrangido no rol dos maus pagadores”, diz a ação que pede a declaração de inexistência de débito.

Os advogados argumentam, ainda, que o ex-deputado — condenado no Mensalão e um dos principais articuladores da ida de Bolsonaro ao PL — não recebeu nenhuma notificação informando a inclusão no Serasa e que o nome sujo na praça tem atrapalhado suas atividades como empresário.

Continua após a publicidade

Publicidade