Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Pedro Carvalho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A linha justa

Vários interlocutores de Dilma Rousseff já notaram um hábito peculiar da presidente: em reuniões fechadas no Palácio do Planalto, quando vai falar de algum tema de Previdência Social, Dilma raramente toca no nome do ministro Garibaldi Alves, preferindo citar um certo “Garibaldi Gabas”. A expressão vem a ser a união dos nomes do ministro com […]

Por Da Redação - Atualizado em 18 fev 2017, 16h48 - Publicado em 14 abr 2012, 10h34

Garibaldi aparece para o público, mas por trás dos holofotes quem faz-tudo no ministério da Previdência é o secretário-executivo Carlos Gabas

Vários interlocutores de Dilma Rousseff já notaram um hábito peculiar da presidente: em reuniões fechadas no Palácio do Planalto, quando vai falar de algum tema de Previdência Social, Dilma raramente toca no nome do ministro Garibaldi Alves, preferindo citar um certo “Garibaldi Gabas”. A expressão vem a ser a união dos nomes do ministro com o do secretário-executivo do Ministério da Previdência, Carlos Eduardo Gabas. A explicação para a suposta confusão é simples: quem conhece o governo de perto sabe que, na realidade, Gabas é o faztudo do ministério. Garibaldi é o garantidor político da linha justa.

Publicidade