Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A guerra santa

Os bispos da CNBB e Eduardo Cunha andam se estranhando. A reprovação da cúpula da Igreja Católica no Brasil não tem a ver com a religião de Cunha – ele está na Assembleia de Deus de Madureira, mas mantém o vínculo com a Sara Nossa Terra (leia mais aqui). O desagrado quase unânime entre os […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 00h58 - Publicado em 10 jul 2015, 07h02
Cunha impôs derrotas sucessivas à cúpula da Igreja

Cunha impôs derrotas sucessivas à cúpula da Igreja

Os bispos da CNBB e Eduardo Cunha andam se estranhando. A reprovação da cúpula da Igreja Católica no Brasil não tem a ver com a religião de Cunha – ele está na Assembleia de Deus de Madureira, mas mantém o vínculo com a Sara Nossa Terra (leia mais aqui).

O desagrado quase unânime entre os bispos é mais terreno mesmo. Em cinco meses à frente da Câmara, Cunha não apoiou nenhuma – absolutamente nenhuma – campanha a que a Igreja Católica se dedicou.

Pelo contrário.

Derrotou a CNBB em temas como o financiamento público das campanhas eleitorais, a redução da maioridade penal e a terceirização das atividades fins nas empresas.

Cunha trabalha ainda para derrotar a entidade em temas como o fim do Estatuto do Desarmamento e a PEC 215, que pretende interromper a demarcação de terras indígenas.

Continua após a publicidade
Publicidade