Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

1,5 bilhão de dólares em jogo

Hoje é um dia tenso e decisivo na maior disputa em curso do capitalismo brasileiro – aquela que opõe os Odebrecht e a família Gradin, que brigam na Justiça desde o final de 2010 por 20,6% da holding Odebrecht. A família Odebrecht deu entrada ontem na 10ª Vara Cível de Salvador com uma ação pedindo […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 12h39 - Publicado em 3 mar 2011, 12h43

Hoje é um dia tenso e decisivo na maior disputa em curso do capitalismo brasileiro – aquela que opõe os Odebrecht e a família Gradin, que brigam na Justiça desde o final de 2010 por 20,6% da holding Odebrecht.

A família Odebrecht deu entrada ontem na 10ª Vara Cível de Salvador com uma ação pedindo a imediata expropriação da participação dos Gradin (20,6%) na holding do grupo. Os Odebrecht propõe-se a pagar cerca de 1,5 bilhão de dólares pelas ações.

O suspense sobre a decisão do Judiciário baiano é grande: justamente hoje, é o último dia de trabalho da juíza Maria de Lourdes Araújo, antes de ela entrar de férias. Se a juíza não decidir nada hoje, quem julgará a ação será um juiz substituto.

Em princípio, se Maria de Lourdes decidir em favor dos Odebrecht parte do montante poderia ser depositado ainda hoje em juízo e. teoricamente, eles virariam donos de fato dos 20,6% pertencentes aos Gradin.

A família Gradin tem uma outra ação na Justiça baiana em que acusam os Odebrecht de quebra de contrato. Os Gradin não querem vender suas ações. Mas aceitariam discutir a migração das ações das holdings para as empresas controladas.

(Atualização, às 15h29: a juíza Maria de Lourdes passou a manhã trabalhando em cima da ação e tomou uma decisão que, pelo menos em príncípio, será conhecida apenas na quarta-feira de Cinzas)

Continua após a publicidade
Publicidade