Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

VEJA Mercado: Marfrig na BRF, Raízen, EUA e o investidor estrangeiro

Entrada líquida dos investidores estrangeiros chegou a 12,2 bilhões de reais até maio.

Por Josette Goulart Atualizado em 4 jun 2021, 12h52 - Publicado em 4 jun 2021, 08h33

VEJA Mercado abertura, 4 de junho. Os mercados brasileiros voltam a funcionar hoje depois do feriado de olho em dados da economia americana, em especial o payroll (folha de pagamento) que pode dar o sinal sobre se a economia americana já se recuperou. Ontem, os dados divulgados do emprego nos Estados Unidos vieram acima do esperado. 

O mercado também segue na expectativa de a bolsa ultrapassar os 130 mil pontos. O Ibovespa bateu 4 recordes seguidos nos últimos dias com uma ajuda dos investidores estrangeiros. Nos dados preliminares da bolsa, até dia 31 de maio, os estrangeiros investiram um saldo positivo de 12,2 bilhões de reais, registrando o segundo melhor mês do ano. A capa da The Economist que retrata um Brasil em seu pior momento, no entanto, traz dúvidas sobre o comportamento dos investidores. 

Nos fatos relevantes, destaque para a Marfrig que saiu comprando mais um pouco de BRF nesta semana, depois de já ter comprado 25% da empresa, em maio. A ação subiu quase 15% em poucos dias. A empresa de Marcos Molina agora já tem mais de 31% da BRF, que é dona das marcas Sadia e Perdigão. A Raízen, empresa da Cosan e da Shell, também confirmou neste feriado que já depositou seu pedido IPO na Comissão de Valores Mobiliários

+Criação de vagas de emprego nos EUA dobra em um mês

 

Continua após a publicidade
Publicidade