Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Renan diz que vai pedir prisão do ministro Onyx se coagir testemunha

Ministro será convocado a depor na CPI

Por Josette Goulart Atualizado em 23 jun 2021, 19h53 - Publicado em 23 jun 2021, 19h42

O relator da CPI da Pandemia, senador Renan Calheiros, disse em entrevista à GloboNews que vai convocar imediatamente o Secretário Geral da Presidência, ministro Onyx Lorenzoni, para depor por conta do que o senador diz ter sido uma tentativa de interferir nas investigações da CPI e tentativa de coação de uma testemunha. “E se continuar coagindo testemunha vamos requisitar a prisão do Secretário Geral da Presidência”, disse Renan alegando que obstrução de investigação é crime. “Não tente intimidar essa comissão parlamentar de inquérito”, disse o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues, na mesma entrevista.

O ministro Onyx Lorenzoni disse em pronunciamento no início da noite desta quarta-feira, 23,  que o presidente Jair Bolsonaro pediu que a Polícia Federal investigue o servidor Luís Ricardo Miranda, do Ministério da Saúde, que denunciou uma forte pressão para a compra da vacina indiana Covaxin por meio de uma atravessadora, a empresa Precisa Medicamentos. Segundo Lorenzoni, o servidor será investigado por prevaricar já que se tinha conhecimento de irregularidades deveria ter reportado a seus superiores. Lorenzoni disse ainda que o documento apresentado pelo servidor era falso.

O senador Randolfe Rodrigues rebateu este argumento dizendo que a CPI chegou ao servidor por conta de um depoimento que ele deu ao Ministério Público Federal e que no depoimento ele diz que estava sofrendo pressão de seus superiores, logo não poderia fazer qualquer denúncia aos superiores.

O irmão do servidor, o deputado de mesmo nome, Luís Miranda (DEM-DF), que era aliado de Bolsonaro disse hoje que a pressão em torno da compra da vacina foi informada em reunião com Bolsonaro.

Continua após a publicidade
Publicidade