Clique e assine a partir de 8,90/mês
Radar Econômico Por Machado da Costa Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças.

Remdesivir ou cloroquina, tanto faz; nenhum salva da Covid, diz OMS

Estudo com mais de 12 mil pacientes mostra que uso dos medicamentos não influencia na mortalidade da doença

Por Machado da Costa - Atualizado em 19 out 2020, 14h42 - Publicado em 15 out 2020, 17h59

Um estudo realizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) jogou um balde de água fria naqueles que acreditavam que o medicamento Remdesivir poderia ser um importante aliado no tratamento contra a Covid-19. “O estudo descobriu que remdesivir, hidroxicloroquina, lopinavir, ritonavir e Interferon têm pouco ou nenhum efeito na mortalidade de pacientes hospitalizados”, disse a OMS ao Radar Econômico. Segundo a pesquisa, com mais de 12.000 pacientes randomizados hospitalizados, os medicamentos não evitaram a necessidade de ventilação mecânica. Os testes estão sendo feitos no âmbito do Comitê Diretor Internacional Solidarity.

O tratamento de cinco dias com a droga da Gilead custa mais de 2.000 dólares. As ações da companhia fabricante do remdesivir, a Gilead, que já não estavam em seus melhores momentos — uma vez que muitos cientistas já desconfiavam da ineficácia do medicamento — caiu 1,6% em Nova York.

Ao Radar Econômico, a OMS afirmou que, apesar das descobertas, outros usos das drogas, em ambientes comunitários e pré-hospitalares, por exemplo, teriam que ser examinados para garantir a ineficácia do tratamento. “O progresso alcançado pelo estudo Solidarity Therapeutics mostra que grandes estudos internacionais são possíveis, mesmo durante uma pandemia, e oferecem a promessa de responder a questões críticas de saúde pública sobre terapêuticas potenciais, de forma rápida e confiável. O imperativo absoluto, e uma das chaves para o sucesso, era estabelecer uma plataforma global para ajudar a alcançar os pacientes conforme a epidemia evoluía. O desenho adaptativo do ensaio e a manutenção da simplicidade, concentrando-se nos resultados de saúde pública mais importantes, também são essenciais”, disse. “Os testes vão continuar”

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Continua após a publicidade
Publicidade