Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Pazuello pede que Guedes suspenda exportação de seringas e agulhas

Justificativa para a solicitação envolve a previsão de que o sistema de saúde necessitará de um acréscimo de 100% na demanda pelos insumos

Por Victor Irajá 2 jan 2021, 19h06

O Ministério da Saúde, sob a batuta de Eduardo Pazuello, encaminhou um pedido para o Ministério da Economia para que a pasta comandada por Paulo Guedes restrinja a exportação de insumos necessários para a vacinação, como agulhas e seringas. O pedido é embasado no decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro em junho do ano passado que dispõe sobre a proibição de exportação de produtos médicos, hospitalares e de higiene essenciais ao combate à pandemia de Covid-19 no país e pede que seringas e agulhas sejam incluídas no rol de produtos com exportação vetada durante a emergência de saúde pública, para que não haja “prejuízo do Plano de Vacinação” contra a doença no país.

A justificativa para a solicitação envolve a previsão de que o sistema de saúde necessitará de um acréscimo de 100% na demanda pelos insumos, com a inserção da vacina contra a doença no Plano Nacional de Imunização, o PNI. De acordo com o Ministério da Saúde, a pasta já disponibiliza anualmente 300 milhões de doses de vacinas contra as demais doenças. Segundo o Ministério, parte das tratativas pelas negociações dos produtos fracassou porque os licitantes não aceitaram reduzir os valores de seus lances aos preços estimados de agulhas e seringas. O governo já comprou 40 milhões de agulhas e seringas, “e hoje sendo reforçada em mais 150 milhões, totalizando 190 milhões”.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Publicidade