Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

O que é um fundo ETF, o novo queridinho dos investidores

VEJA Mercado: conhecido também como "fundo de índices", o ETF é uma alternativa mais em conta para quem investe

Por Diego Gimenes 21 jun 2021, 16h20

ETF (Exchange-Traded Fund) é um fundo de investimentos com algumas particularidades. Ele é negociado em bolsa e replica algum índice, como o Ibovespa ou S&P 500. Por isso, em vez de cotas, são negociadas ações. Com a popularização da modalidade, é comum encontrar ETF’s que replicam o desempenho de empresas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials. De acordo com a B3, 401 mil brasileiros já tinham pelo menos um ETF no último mês de maio, um crescimento de 64% na comparação com dezembro de 2020. “Num ETF, a pessoa sabe exatamente em quais empresas o gestor aplica”, explica Michael Viriato, professor do Insper.

Uma das vantagens do ETF é que a compra engloba uma espécie de “cesta de companhias”, ou seja, se uma ação cair muito, as outras podem mitigar as perdas. O Ibovespa serve como bom exemplo. O índice não é um ativo da bolsa, mas pode ser comprado por meio de um ETF. “Um ETF pode ter a função de replicar o movimento do Ibovespa. O gestor capta o dinheiro do investidor, compra as ações de acordo com o peso de cada companhia no Ibovespa e esse ETF, então, terá o rendimento do índice”, explica Rodrigo Barreto, analista da Necton Investimentos. Também existem ETF’s de segmentos específicos, como tecnologia, varejo, saúde e assim por diante.

O primeiro ETF surgiu em 1993, pelo banco americano State Street. No Brasil, foi regulamentado pela CVM em 2002 e o PIBB (Papéis de Índice Brasil Bovespa), hoje administrado pelo Itaú, puxou a fila, em 2004. O ETF é considerado um fundo mais barato nos Estados Unidos e encarado como uma porta de entrada para a renda variável, uma vez que a taxação é baixa pelo grande volume de transações. Em setembro de 2020, a B3 decidiu incentivar a compra de ETFs no Brasil e diminuiu o lote-padrão de 10 unidades para 1 unidade. Em outras palavras, era preciso desembolsar mil reais para comprar um lote de 10 ETFs a 100 reais, mas agora é possível comprar apenas uma unidade.

Publicidade