Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

O que aconteceria se a Shell parasse hoje de vender gasolina e diesel?

Presidente mundial da petroleira diz que empresa vai acelerar corte de emissão de carbono, mas que mundo precisa acompanhar

Por Josette Goulart Atualizado em 9 jun 2021, 10h37 - Publicado em 9 jun 2021, 09h23

O presidente mundial da Shell, Ben ven Beurden, foi para o Linked In questionar se é justo um tribunal determinar que apenas uma empresa tenha que acelerar o corte de suas emissões de carbono, enquanto o mundo segue consumindo petróleo e gás. “Imagine que a Shell decidiu parar de vender gasolina e diesel hoje. Isso certamente cortaria as emissões de carbono da Shell. Mas não ajudaria nem um pouco o mundo. A demanda por combustível não mudaria”, disse ven Beurden. Ele está decidido a  recorrer da decisão do tribunal holandês, que determinou que a Shell corte 45% de suas emissões até 2030.

LEIA TAMBÉM: VEJA Mercado: Raízen compra negócio de lubrificantes da Shell

Mas ele também disse que vai enfrentar o desafio de acelerar ainda mais o plano da empresa de fazer esses cortes. Não disse como e usou um enigmático seremos “ousados, mas comedidos”. A Shell tem meta de ser carbono zero até 2050 e em maio foi a primeira empresa de energia a submeter sua estratégia de transição energética à votação dos acionistas, com 89% de apoio. “O tribunal não considerou isso porque a audiência que levou à decisão ocorreu vários meses antes de publicarmos essa estratégia e, é claro, antes que grandes investidores demonstrassem seu apoio na assembleia geral de acionistas”.

O texto de ven Beurden: The spirit of Shell will rise to the challenge

Continua após a publicidade
Publicidade