Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Radar Econômico Por Machado da Costa Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças.

O flerte de Bolsonaro com o fim da Lei de Responsabilidade Fiscal

Indícios de que Bolsonaro quer acabar com as âncoras econômicas, como a Lei de Responsabilidade Fiscal, são cada vez mais evidentes

Por Machado da Costa Atualizado em 22 fev 2021, 10h37 - Publicado em 19 fev 2021, 16h52

Que boa parte da Faria Lima e do Leblon, os principais polos financeiros do país, apoiaram Jair Bolsonaro durante muito tempo não há dúvida. Mais “pauloguedistas” que “bolsonaristas”, os habitantes do “condado” e da “península” estão com os nervos à flor da pele devido ao rompante populista do presidente entre quinta-feira, 18, e sexta, 19. Ele decidiu que quer uma mudança profunda na forma como a Petrobras repassa os preços de combustíveis, exige uma desoneração de insumos energéticos, como gás de cozinha e diesel, e demandou um auxílio emergencial, ao menos, digno na comparação com o que foi liberado no ano passado.

Porém, o pior veio no fim da tarde desta sexta. Correu nos Whatsapps dos investidores uma informação que circulou no pré-carnaval, sexta passada, 12. A de que Bolsonaro pediu a seus assessores uma forma de contornar a Lei de Responsabilidade Fiscal para poder reduzir impostos sem indicar contrapartida. Pois foi justamente o que ele fez ontem, desonerando gás e diesel sem explicar de onde viria o dinheiro. Os indícios de que Bolsonaro realmente deseja destruir um dos principais pilares da recuperação econômica brasileira pós-hiperinflação são cada vez mais evidentes.

Azedou.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Continua após a publicidade
Publicidade