Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças

JBS coloca sustentabilidade como norte e se qualifica para carteira da B3

Empresa do agronegócio é uma das 58 selecionadas pela B3 para carteira de Índice de Carbono Eficiente que vigora até o fim de abril

Por Felipe Mendes Atualizado em 5 jan 2021, 13h02 - Publicado em 5 jan 2021, 13h01

A B3, a bolsa de valores de São Paulo, divulgou sua nova carteira de Índice de Carbono Eficiente (ICO2 B3). Ao todo, 62 ações de 58 companhias pertencentes a 22 setores formam o indicador que preconiza uma atuação mais sustentável por parte das empresas. Com a sigla ESG ganhando força para a tomada de decisão do investidor, diversas empresas estão produzindo e divulgando inventários sobre suas metas de redução de gases de efeito estufa a fim de reforçar compromisso com o meio ambiente, algo que faz com que a carteira ganhe cada vez mais relevância. Juntas, as companhias que fazem parte do índice representam 63,63% do valor total de mercado das ações negociadas na B3.

O número de empresas é 132% maior em relação à carteira que vigorou em 2020, que tinha 26 ações, de 25 companhias. A JBS é uma delas. Recentemente, a companhia criou um fundo para fomentar o desenvolvimento sustentável do bioma amazônico por meio da conservação e do uso sustentável da floresta, além da melhoria da qualidade de vida das pessoas que nela residem. “Hoje, a sustentabilidade faz parte da tomada de decisão em todos os níveis da empresa”, disse Gilberto Tomazoni, CEO da JBS. “Temos um planeta só. Não temos outros planetas para extrair recursos. Não existe caminho senão o da preservação”. A CDP (Carbon Disclosure Project), uma das plataformas globais de informações corporativas de sustentabilidade mais respeitadas no mundo, divulgou, em 8 de dezembro, os resultados dos reportes relativos ao ano de 2019, que demonstraram que a JBS avançou nos critérios avaliados, ocupando a melhor posição entre as brasileiras do setor de ‘alimentos e bebidas’. A empresa foi avaliada em três frentes: Mudanças Climáticas; Segurança Hídrica; e Florestas, sendo esta última dividida nas categorias Madeira, Gado e Soja.

Além da JBS, algumas das demais companhias classificadas para a carteira da B3 são: Ambev, B2W, brMalls, Bradesco, Braskem, BRF, BTG Pactual, CCR, Cemig, Cielo, Copasa, CPFL Energia, Duratex, Eletrobras, Fleury, Gerdau, Gol Linhas Aéreas, Natura, Hypera, Itausa, Itaú Unibanco, Klabin, Light, Localiza, Lojas Americanas, Renner, M. Dias Branco, Magazine Luiza, Marfrig, Minerva, Movida, MRV, Multiplan, Petrobras, RaiaDrogasil, Rumo, Sanepar, Santander, Suzano, Telefônica Vivo, TIM, Ultrapar e WEG.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Continua após a publicidade
Publicidade