Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Ian Bremmer diz que Biden será o presidente mais fraco desde Carter

Popularidade de Trump e Suprema Corte americana não garantirão vida fácil ao democrata, vaticina presidente do Eurasia Group

Por Machado da Costa, Victor Irajá Atualizado em 4 jan 2021, 11h12 - Publicado em 4 jan 2021, 11h07

Presidente e fundador do Eurasia Group, o cientista político Ian Bremmer não está nada animado com a nascitura presidência de Joe Biden, nos Estados Unidos. O presidente do grupo discorre em uma leitura sobre como o mundo falhou em combater conjuntamente a pandemia durante o ano passado, e afirma que o principal desafio de 2021 envolverá a capacidade de reconstrução das economias. Ele classifica os Estados Unidos como uma “nação rachada ao meio” e afirma que, pela própria conjuntura, o mundo não pode contar com os americanos como em crises passadas.

“Nas últimas décadas, o mundo confiaria em nós para restaurar a previsibilidade em tempos de crise, mas a preeminente superpotência mundial enfrenta grandes desafios próprios”, afirma ele. “As questões vão desde o desemprego e a falta de oportunidade econômica, passando por preocupações sobre a eficácia política e longevidade do presidente eleito, Joe Biden”, diz Bremmer. “O futuro do Partido Republicano e a própria legitimidade do modelo político do país, a credibilidade da política externa dos Estados Unidos e a sustentabilidade de sua política interna serão testadas este ano como não foram no pós-guerra.”

Sobre a presidência de Biden, Bremmer afirma que “será o presidente mais fraco desde Jimmy Carter”, que protagonizou políticas econômicas falhas e pai de propostas ineficientes. “O próprio presidente Donald Trump conquistou o segundo maior número de votos populares da história americana, 74 milhões de votos, e os republicanos ganharam votos suficientes para fazer número na Câmara dos Deputados”, diz ele. “Adicione o sucesso de Trump na criação de uma Suprema Corte decisivamente conservadora, mais recentemente com a nomeação de Amy Coney Barrett, substituindo a falecida Ruth Bader Ginsburg. Biden iniciará o mandato sendo o presidente mais fraco desde Jimmy Carter, em 1976”, afirma. “Poucos analistas acreditam que ele concorrerá à reeleição em 2024”.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Continua após a publicidade

Publicidade