Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Radar Econômico Por Machado da Costa Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças.

Empresário da educação pede que professores tenham prioridade em vacinação

Chaim Zaher acredita que setor não está recebendo a atenção devida pelo governo

Por Machado da Costa 14 jan 2021, 15h35

Para Chaim Zaher, presidente do grupo SEB, o maior conglomerado privado de ensino básico do país, o governo federal precisa dar mais atenção à educação e incluir os professores nos grupos prioritários da vacinação contra a Covid-19, prevista para começar na próxima quarta-feira, 20. “Os professores foram verdadeiros heróis, se viraram para continuar atendendo os alunos no ano passado e seguindo rigorosamente os cuidados, por isso agora mais do que nunca merecem a atenção do governo federal”, afirma.

O executivo pretende protocolar um pedido no Ministério da Saúde solicitando que o governo contemple os profissionais da Educação nessa primeira fase de vacinação.  “As aulas estão previstas para voltar em fevereiro, já adotamos todos os cuidados possíveis, mas a vacina é o meio mais eficaz para proteger professores, alunos e seus familiares, tanto da rede pública quanto da privada”, segue Zaher.

Nesta quinta-feira, 14, o governo indicou que a vacinação deve começar na próxima semana, a partir do dia 20. O plano, porém, não prevê os professores entre o público prioritário nessa primeira fase de vacinação, que vai contemplar os profissionais de saúde, idosos acima de 75 anos e pessoas com 60 anos ou mais que vivem em asilos. Para Zaher, pela importância de sua função e pela dinâmica do trabalho, que envolve contato constante com os estudantes os professores deveriam já começar a serem imunizados.

O grupo SEB conta com seis mil colaboradores e conseguiu manter o calendário escolar mesmo com a pandemia no ano passado, com aulas a distância e algumas presenciais seguindo os protocolos de segurança e saúde, ainda assim, Zaher considera crucial garantir essa segurança que só a vacina pode dar aos profissionais e alunos.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Continua após a publicidade
Publicidade