Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Econômico Por Machado da Costa Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças.

De onde vem a pressão para aprovar a administrativa antes da tributária

Setor de serviços, responsável pela maior parte do PIB, tende a ganhar com a reforma do serviço público

Por Machado da Costa Atualizado em 3 set 2020, 08h55 - Publicado em 3 set 2020, 08h00

O Governo prometeu entregar hoje a reforma administrativa ao Congresso. As duas Casas, a Câmara e o Senado, aguardam ansiosamente o texto e planejam aprová-lo antes da reforma tributária. Há uma grande pressão feita pelo setor de serviços, responsável pela maior parcela do PIB e maior prejudicada em uma possível aprovação da reforma tributária — em quaisquer dos cenários atuais.

O setor pede que o Congresso aprove a administrativa porque causará uma descompressão sobre os gastos públicos, podendo indicar uma redução da carga tributária no médio e longo prazo. Assim, acreditam que a alíquota do IVA que pesará sobre o setor poderá diminuir caso a reforma do setor público passe antes.

ASSINE VEJA

A esperança dos novatos na bolsa Leia nesta edição: a multidão de calouros no mercado de ações, a ‘lista negra’ de Bolsonaro e as fraudes na pandemia
Clique e Assine

Além disso, há uma expectativa positiva sobre a flexibilização para a contratação de serviços terceirizados pelo governo federal. Com a aprovação da reforma, o governo poderá terceirizar com maior facilidade áreas consideradas “não sensíveis” da administração pública. O setor acredita que esses dois avanços podem compensar em parte a alta de impostos que sofrerá com a aprovação da tributária.

O setor ouviu dos presidentes das duas casas que o foco será, justamente, aprovar a administrativa antes da tributária, que corre o risco de ter ficado para o ano que vem.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

  • Continua após a publicidade
    Publicidade