Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Como os juros baixos estão garantindo o avanço da construção civil

Excesso de liquidez no mercado tem obrigado investidores a buscar formas de rentabilizar os recursos

Por Machado da Costa Atualizado em 15 dez 2020, 10h31 - Publicado em 15 dez 2020, 10h02

Os juros básicos da economia, que estão no menor patamar da história, ajudaram em grande medida na resiliência da construção civil em 2020 e devem garantir mais crescimento em 2021. “Com a queda dos juros, os fundos de investimento estão com dinheiro e estão indo para a área de logística. Foi uma virada que ninguém esperava”, avalia Sadak Leite, vice-presidente da construtora Ribeiro Caram. Esse cenário garantiu à empresa um aumento de 40% do faturamento deste ano. A projeção é de um crescimento de 20% em 2021. “Os últimos três anos foram muito ruins para o setor. Esperamos aproveitar esta recuperação, ainda que inicial, da economia”, disse.

Depois do aumento da demanda por obras de estrutura logística, como galpões, as contratações para construção de outlets aumentaram neste final de ano. “Tivemos em novembro e dezembro um volume atípico de fechamento de contratos. A demanda represou e, agora, os investimentos estão começando a acontecer. Vai ser muito bom para começar o ano”, afirma Leite.

Existem demandas para ampliações de shopping centers em São Paulo e Rio de Janeiro já para o primeiro semestre. No final de novembro, a construtora entregou o outlet de Mogi das Cruzes, um empreendimento com 48 mil metros quadrados encomendado pelo grupo General Shopping. A Ribeiro Caram está há 23 anos no mercado e é especializada em obras industriais e comerciais.

Desde junho, a demanda por obras industriais e de logística tem crescido em função do aumento do e-commerce, que gerou necessidade de novos galpões por parte dos grandes varejistas e empresas de tecnologia. A Ribeiro Caram entregou recentemente o novo centro de distribuição da Amazon, localizado na cidade de Cajamar, na região metropolitana de São Paulo, e da Coca-Cola, em Campinas (SP). No dia 16 de dezembro, entregará a nova base da Brinks, empresa referência em transporte de valores.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Continua após a publicidade
Publicidade