Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Bolsa passa dos 113 mil pontos e aposta em rali de fim de ano

VEJA Mercado: Ibovespa sobe 1,14% sem grande catalisador no cenário doméstico; dólar cai após leilão do Banco Central

Por Diego Gimenes 13 out 2021, 18h01

VEJA Mercado | Fechamento | 13 de outubro.

Passado o feriado de 12 de outubro, os investidores viraram de vez a chavinha para o último trimestre do ano. O Ibovespa acumula uma queda de 5% no ano mesmo com as commodities nas alturas, o bom momento das bolsas internacionais e o avanço da vacinação como um todo no país. Para os analistas, a performance do índice não corresponde ao contexto em que a bolsa está inserido. “Os papéis não têm mais para onde cair. Varejo e shoppings estão com preços de maio de 2020, mas com um cenário muito mais concreto que aquele. Importante lembrar que as empresas entregaram bons resultados na média do ano também”, avalia Rodrigo Barreto, analista da Necton. Hoje, o índice subiu 1,14%, a 113.455 pontos, sem um grande catalisador nos números. O quarto trimestre costuma ser positivo para a bolsa, uma vez que o Ibovespa ficou no azul no período em 15 dos últimos 20 anos. É nesse rali que os investidores apostam. “É cedo para falar em uma reação, mas se passar dos 115 mil pontos nesta semana, o cenário começa a a virar para tendência de alta. O último trimestre costuma ser positivo”, diz Barreto.

A quarta-feira foi de altas generalizadas no índice. Destaque para o setor de educação, que subiu após a obrigatoriedade da volta às aulas presenciais em São Paulo, um indicativo de que o setor pode se recuperar mais agressivamente no próximo ano. Cogna e Yduqs fecharam em altas de 6,4% e 4,5%, respectivamente. Os shoppings também performaram bem, com Iguatemi e BR Malls subindo 4,4% e 3,5%, respectivamente, assim como as construtoras. Papéis de Eztec e MRV se valorizaram 5,4% e 3,1%. Já o dólar caiu, após bater 5,53 reais na segunda-feira. O recuo se deu após um leilão surpresa de até 20 mil contratos de swap cambial tradicional feito pelo Banco Central. A moeda americana encerrou o dia em queda de 0,51%, a 5,508 reais.

Publicidade