Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Bolsa Família, Congresso de volta, Copom, CPI, vale-gás e carro voador

VEJA Mercado: Notícias não vão faltar na semana para justificar as quedas e as altas da bolsa de valores e do dólar

Por Josette Goulart Atualizado em 2 ago 2021, 09h24 - Publicado em 2 ago 2021, 08h44

VEJA Mercado abertura, 02 de agosto.

A semana começa com uma agenda repleta de notícias que podem afetar o mercado. O Congresso vai voltar do recesso e o presidente da Câmara diz que vai votar a reforma do imposto de renda, com a taxação dos dividendos, já nesta semana. Tem resultado dos juros no Comitê de Política Monetária (Copom) e a expectativa de que os juros subam 1 ponto percentual numa tacada só. A CPI da Covid também volta aos holofotes com a segunda temporada. Tem dados de produção industrial, no Brasil. De emprego, nos Estados Unidos.

Mas o temor do velho risco fiscal, que derrubou a bolsa no último pregão de julho, deve seguir rondando o mercado depois que o presidente Jair Bolsonaro defendeu endividamento para fazer o Bolsa Família. As eleições já estão influenciando os negócios. O Globo de hoje diz que que a equipe econômica encontrou uma solução para ter 40 bilhões de reais extras no próximo ano e que deve propor uma emenda à Constituição para parcelar despesas judiciais, ou seja, pagamento de precatórios em até dez anos, o que permitiria a sobra de caixa para financiar um auxílio às famílias.

LEIA TAMBÉM: Declarações de Guedes podem piorar o risco do país

Além disso, a semana segue repleta de balanços. Bancos, Petrobras, Gerdau e Braskem estão em destaque. A Petrobras também pode ser afetada com as declarações de Bolsonaro no Programa do Ratinho, na sexta-feira à noite, em que ele disse que a empresa teria uma reserva de 3 bilhões de reais para financiar vale-gás.

Nos fatos relevantes, a CSN Mineração comunicou a oferta de 1 bilhão de reais em debêntures e a Azul que fechou uma parceria que poderá chegar a 1 bilhão de dólares para ter seus próprios carros voadores já em 2025.

Continua após a publicidade

Publicidade