Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Radar Econômico Por Machado da Costa Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças.

Banco BMG aposta no PIX para impulsionar suas maquininhas

Grupo aposta na tecnologia para ganhar espaço em setor com grandes competidores

Por Machado da Costa Atualizado em 23 set 2020, 11h10 - Publicado em 23 set 2020, 11h00

A BMG afirma estar colhendo os primeiros frutos de sua aposta no segmento de adquirência, o das maquininhas. Atualmente, mais de 20 mil clientes ativos tem adquirência da BMG Granito. Em ritmo bastante acelerado, a empresa vem crescendo cerca de 25% a 30% ao mês com canal próprio. “Iniciamos nossa expansão comercial em janeiro de 2020. Sofremos o impacto da pandemia em março, mas retomamos o crescimento ainda em maio e conseguimos resultados muito positivos. Muito desse sucesso vem do foco dado à nossa plataforma tecnológica nos últimos dois anos para nos transformarmos em uma empresa adquirente. Apesar do mercado ainda não ter se recuperado da crise, com volumes de transação abaixo do que tinha em janeiro e fevereiro, nos últimos dois meses nós temos conseguido superar esse volume do início do ano”, conta Rodrigo.

  • A BMG Granito é a primeira empresa de meios de pagamentos a finalizar o processo completo de adquirência com sistema 100% próprio e desenvolvido internamente do zero. Com uma oferta integrada de produtos junto ao Banco BMG, a empresa se tornou adquirente full e com isso passa a ter mais flexibilidade junto aos clientes.

    Um dos motivos, segundo os executivos, do rápido crescimento das maquininhas BMG Granito é a tecnologia embarcada. Elas já estão adaptadas ao pagamento via QR Code Pagador (quando a máquina faz a leitura do QR code do cliente), se colocando à frente da maior parte das adquirentes que trabalham com máquinas que não possuem esse leitor ou mesmo câmera. “Nós queríamos estar prontos para oferecer uma solução com menos atrito e mais aderente à realidade do estabelecimento comercial por meio de um hardware mais preparado para esse modelo de pagamento, especialmente porque em novembro teremos a chegada do PIX”, conta Rodrigo.

    + Siga o Radar Econômico no Twitter

    Continua após a publicidade
    Publicidade