Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Ataque de Bolsonaro às eleições, teto de gastos, inflação e reformas

VEJA Mercado: bolsa patina para terminar julho no zero a zero e investidores temem também que calendário eleitoral comprometa teto de gastos

Por Josette Goulart Atualizado em 30 jul 2021, 09h48 - Publicado em 30 jul 2021, 08h55

VEJA Mercado abertura, 30 de julho.

A bolsa vai ter que remar nesta sexta-feira para terminar o mês pelo menos no zero a zero. Depois de chegar a bater perto do recorde de 130 mil pontos, a bolsa recuou diante das notícias políticas, medo de inflação, reforma do imposto de renda. No último dia do mês, as notícias do exterior não ajudam muito. As grandes big techs apesar de terem apresentado lucros espetaculares, já anunciaram estimativas mais conservadoras para os próximos trimestres. O minério de ferro despenca com as notícias de que a China está revisando seu setor siderúrgico para diminuir poluição. Além disso, os balanços de supermercados brasileiros como o do Grupo Pão de Açúcar mostraram que a queda da renda e a inflação estão afetando a compra de alimentos.

LEIA TAMBÉM: Impasse com os EUA por agência que abriga amigos de Bolsonaro

Os investidores também ficam preocupados em como a investida do presidente Jair Bolsonaro contra as eleições poderá afetar o andamento das reformas no Congresso e deixar o tema do voto impresso tomar conta. Ontem, Bolsonaro fez uma live prometendo bombas que mostrariam fraudes nas eleições e, no fim, ele mesmo disse que não tinha como provar. Mas mesmo assim atacou o sistema eleitoral. O presidente da Câmara, Arthur Lira, garantiu durante a semana, no entanto, que assim que voltarem do recesso a primeira fase da reforma tributaria vai estar na pauta. O calendário eleitoral também preocupa os investidores já que surgem os desejos de se ultrapassar o teto de gastos para garantir ampliação do Bolsa Família.

Nos balanços, a Movida anunciou lucro 58% maior e a Localiza 398% maior. A Ecorodovias lucrou 260% mais e o grupo Fleury conseguiu reverter o resultado negativo do ano passado e lucrou 65 milhões de reais. A Clearsale estreia hoje na bolsa depois de captar 1,3 bilhão de reais.

Continua após a publicidade
Publicidade