Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Econômico Por Machado da Costa Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças.

A última ofensiva do DEM para mudar a Nova Lei do Gás

Adiamento em uma semana permitiu uma robusta articulação no Congresso para derrubar o texto do governo

Por Machado da Costa Atualizado em 31 ago 2020, 12h27 - Publicado em 31 ago 2020, 09h00

O DEM conseguiu uma meia vitória na última semana ao conseguir adiar a votação da Nova Lei do Gás. Era para ter acontecido na quarta-feira passada, 26, a votação na Câmara, e passou para esta terça, 1º. Era a janela que Elmar Nascimento (DEM-BA) precisava para voltar à pressão na tentativa de alterar o texto proposto pelo relator, o deputado Laércio Oliveira (PP-SE), alinhado com o Governo Federal.

Elmar quer mudar dois dispositivos no projeto para criar a figura das térmicas inflexíveis e assim subsidiar a construção de gasodutos pelo interior do Brasil. Se reuniu com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e com diversos deputados para tentar emplacar uma emenda aglutinativa. Ele acredita ter dobrado boa parte do colegiado e espera angariar 300 votos até a sessão extra.

Se Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, não concorda plenamente com a proposta feita por Elmar, que é amigo íntimo seu, ao menos deixou de apoiar publicamente pela aprovação do texto do governo. O adiamento da votação levou a deputados bolsonaristas, como Carla Zambeli (PSL-SP), a reclamarem publicamente de Maia e subirem hashtags no Twitter, como #GásParaSairDaCrise e #PLdoGásOriginal. Maia não gostou nada do movimento.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

  • Continua após a publicidade
    Publicidade