Clique e assine com até 92% de desconto
Paulo Cezar Caju Por Paulo Cezar Caju O papo reto do craque que joga contra o lugar-comum

Enquanto uns ‘agridem a bola’, a ‘loucura’ de Sampaoli encanta o Brasil

Num campeonato repleto de times que só pensam em desarmar, jogar bonito virou sinônimo de irresponsabilidade

Por Paulo Cezar Caju Atualizado em 5 out 2020, 17h33 - Publicado em 5 out 2020, 15h48

Agora, com os estádios vazios fica fácil ouvir as orientações dos treinadores.  Durante Corinthians x Bragantino, sem qualquer constrangimento, Maurício Barbieri e Coelho pediam aos jogadores: “Agride a bola!”, “Ataca a bola!”. O resultado foi um dos piores jogos dos últimos tempos. Só não foi pior do que Fluminense x Botafogo, com 170 passes errados. Mas ao fim da partida tanto Odair Helmann quanto Bruno Lazaroni consideraram os desempenhos satisfatórios. Odair poderia ter saído com a vitória, mas, novamente, deu um tiro certeiro e correu para trás das barricadas, buscou abrigo. E, aí, o louco é Jorge Sampaoli, que dispara a metralhadora giratória e salve-se quem puder.

Jogar bonito, ofensivamente, virou sinônimo de loucura e irresponsabilidade. Jorge Jesus fez isso e mudou de patamar, passou de Jesus a Deus. Já falei isso e repito, Sampaoli é aluno de Bielsa. Vejam o Leeds, de Marcelo Bielsa, jogar. Dá gosto! Observem os volantes de Leeds e Atlético Mineiro. Nem devem ser chamados de volantes porque não são cães de guarda, distribuidores de pancadas. Sinceramente, tenho dó de certos profissionais que, nota-se, sabem jogar bola, mas por total falta de orientação entram em campo para desarmar, bater e só. Veja o caso de Andrei, do Vasco. É um cartão por jogo, seja vermelho ou amarelo. Hudson, do Flu, é outro. Isso prejudica o time, o grupo, a evolução de um trabalho. Ramon foi um jogador maravilhoso, esbanjava técnica, mas será que está conversando com os jogadores, isoladamente, entendendo os pontos fracos de cada um?

  • Coelho ficava andando de um lado para o outro, fazendo caras e bocas. Isso não funciona. Não é porque Jorge Jesus e Sampaoli fazem que deva fazer. Isso não é uma modinha. Marcelo Chamusca está há um ano no Cuiabá e, não por acaso, o time é o líder da Segunda Divisão e apresenta um conjunto bem interessante. Ganhou de um Cruzeiro, que já teve uma penca de treinadores e está desfigurado. Vocês vão me ver reclamando sempre por aqui porque o que se tem para elogiar é muito pouco. Mas os comentaristas tentam, de forma acadêmica, mostrar que não é bem assim. No domingo, durante a transmissão de um desses shows de horrores, um ex-jogador, que certamente fez o curso para treinadores, e hoje é comentarista, em menos de um minuto falou três vezes “posicional”. Não é pegar no pé, não, mas posicional é o……Kkkkk!!!  Jogo ruim é jogo ruim.

    Na Rádio Tupi, após Flu x Bota, perguntaram o que Gerson, Canhotinha de Ouro, achara da partida. O Papagaio disse “Boa tarde” e foi embora. Para fechar, vou sugerir aos treinadores que mandam os jogadores agredirem e atacarem a bola, e que não conheceram Armando Nogueira, para lerem um texto seu chamado “A Bola”, que narrado pelo saudoso Paulo José fica mais lindo ainda: “Brincar contigo é descobrir a harmonia e o equilíbrio do Universo. Brincar contigo é brincar com Deus, de cuja plenitude nasce a esfera – a inspiração da bola. Bola é magia, bola é movimento….”.

    UOL Esporte Clube | Assine e acompanhe transmissões de grandes jogos e programas esportivos de onde você estiver.

    Continua após a publicidade
    Publicidade