Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Paraná Por VEJA Correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens paranaenses. Por Guilherme Voitch, de Curitiba

PSDB não deseja estar conosco, diz Ricardo Barros

Articulador da candidatura da esposa, o deputado federal disse que entendeu o "recado" de Beto Richa e que o PSDB deve seguir em chapa avulsa

Por Guilherme Voitch 23 jul 2018, 18h45

Bastaram três meses para que a relação entre o ex-governador Beto Richa (PSDB) e a sua sucessora, Cida Borghetti (PP) degringolasse. Nesta segunda-feira, o deputado federal Ricardo Barros (PP), marido de Cida, disse que havia “entendido o recado” de Richa. Ele se referia ao fato de Beto não ter comparecido, no fim da semana, à convenção do Pros e do PMB, partidos que apoiam Cida, e da presença de um aliado de primeira hora de Richa, o presidente da Assembleia Legislativa Ademar Traiano, na convenção do PSD, que oficializou a candidatura de Ratinho Junior.

“Tínhamos um não-apoio e agora temos manifestação clara de que o PSDB não deseja estar conosco. É um fato. Não é mais conjectura. É preciso entender os fatos e tomar as providências. Vamos manter essa coligação que está proposta em torno da Cida”, disse Barros, em entrevista à rádio BandNews em Guarapuava, onde participava do velório do deputado estadual Bernardo Ribas Carli (PSDB), que morreu vítima de um acidente aéreo.

  • Barros disse acreditar que Richa saia com uma candidatura avulsa ao Senado. “O ex-governador, ao escolher candidatura avulsa, ponderou que pode ter apoio de todas as frentes e pensa em ser uma espécie de candidato suprapartidário. De fato ele colocou pessoas apoiando Osmar Dias [candidato ao governo pelo PDT] e Ratinho desde o início. Pode ser que a estratégia dê certo.”

    Acordo

    Richa por seu lado tem mantido silêncio sobre um eventual desembarque da chapa com Cida. Nos bastidores, porém, ele trabalha para costurar um acordo com Ratinho Junior. A ideia é de que, mesmo que não conte com o apoio do deputado, ele consiga uma espécie de acordo branco em que Ratinho não lance nenhum nome de peso na sua chapa ao Senado, facilitando o caminho para o tucano.

    Continua após a publicidade
    Publicidade