Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Se Olavo Bilac caía em fake news, o que será de nós?

As fake news são tão antigas quanto a imprensa. O grande problema é que aumentaram em quantidade e abrangência

Poucos sabem que Olavo Bilac (1865-1918), mais conhecido como o príncipe dos poetas parnasianos, ganhou a vida como jornalista e foi um dos articulistas mais lidos durante a belle époque carioca. Culto e viajado, escreveu com brilho sobre temas que ainda hoje estão em pauta: saúde pública, crueldade contra os velhos, maus tratos a animais, emancipação da mulher, literatura e cultura em geral.

No entanto, quando tratou da Guerra de Canudos… que desastre!

Numa crônica publicada em dezembro de 1896, reproduz a voz do atraso ao lamentar que os milhares de sertanejos amotinados no sertão da Bahia não se contentassem em peregrinar pelos desertos e comer gafanhotos como São João Batista.

E prossegue, duro:

— Os fanáticos de Antônio Conselheiro “não podem passar sem pão, sem carne, sem cachaça, e sem mulheres. E, pois, saqueiam vilas, assolam as aldeias, matam os ricos, escravizam os pobres, defloram as raparigas, e assim vão vivendo bem, bem combinando os sacrifícios do viver religioso com as delícias do comer à tripa forra”.

(A contradição do parágrafo acima — orgias em meio à religiosidade — é um belo indício de que estamos diante de uma fake news. Além do mais, sabe-se hoje que o Conselheiro não permitia álcool e prostituição em Canudos).

No mesmo texto, queixando-se da lengalenga burocrática e política surgida com a guerra, exige das autoridades uma ação mais incisiva: “Em qualquer parte do mundo, esse pessoal seria baleado, corrido a pedra e a sabre, sem complicações, sumariamente”. E não termina a crônica antes de execrar a “imprensa indígena”, isto é, aqueles poucos jornais que não divulgavam o Conselheiro como louco e os sertanejos como fanáticos.

Em março de 1897, num tom fúnebre e hiperbólico, Bilac chora a aposentadoria de Machado de Assis, seu mestre, que poderia usar a coluna para narrar a “grande desgraça” com tintas mais sóbrias e concisas. A “grande desgraça” era a notícia de que o Coronel Moreira César, o mesmo que meses antes transformara Desterro em Florianópolis com um banho de sangue, morrera num ataque a Canudos.

Mas em outubro do mesmo ano pôde acender as luminárias da sua crônica para comemorar a desafronta: “o Arraial maldito foi desmantelado”. Fazendo piadinha com a “imundície das jagunças” subjugadas, esquecia-se o poeta, e com ele o resto do Brasil, que aquela foi uma guerra com pouquíssimos prisioneiros. Mulheres, velhos e crianças, quase todos foram obrigados a vestir a “gravata vermelha”, ou a degola, uma tradição que o exército brasileiro trouxera do Paraguai.

Segundo Alfredo Bosi, “Bilac fez coro com os jornalistas mal informados e ideologizados da época; e, nesse particular, não foi mais perspicaz do que a maioria dos intelectuais seus contemporâneos, que viam nos jagunços de Canudos um (…) perigo para a jovem República e a civilização ocidental”. Nas palavras de hoje, Bilac usou o seu espaço privilegiado na imprensa para dar eco a uma série de fake news que culminaram num dos massacres mais brutais e inúteis da nossa história.

Interessante, porém, é que o próprio Bilac tinha consciência de que pudesse estar a serviço de algo no qual não acreditava. “Não há morte para as nossas tolices!”, escreveu em 1901. “Nas bibliotecas e nos escritórios dos jornais, elas ficam, as pérfidas!, catalogadas; e lá vem um dia em que um perverso qualquer, abrindo um daqueles abomináveis cartapácios, exuma as malditas e arroja-as à face apalermada de quem as escreveu…”

Resta saber se a mesma desforra das palavras atingirá os que hoje vivem de produzir e difundir fake news.

 

P.S.: as informações acima, incluindo o depoimento de Alfredo Bosi, foram retiradas da trilogia Bilac O Jornalista, de Antonio Dimas, um exaustivo trabalho de garimpagem literária graças ao qual temos acesso a praticamente toda a produção jornalística de Olavo Bilac.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

  1. Ataíde Jorge de Oliveira

    Mas;Porém;Contudo…:
    Os “apalermados” coleguinhas de hoje estão a salvo de igual OPRóBIO
    , haja vista a pressa do tempo que parou de parar.rs.R$.rs
    Com efeito, extinto “o_meio”, o Fato é o_Tudo: O Vero!
    Jornalista, pra_Q,PqP 😮

    Curtir

  2. Paulo Bandarra

    Então finalmente Deus estava providenciando o que vestir, o que comer, para um grupo enorme de pessoas qua não lavravam? Em vez das denúncias de saques as cidades foi a inveja da felicidade que levou o governo enviar 4 expedições contra os pacíficos cristão? Três delas aniquiladas.

    Curtir

  3. Paulo Bandarra

    O autor não sabe quem inventou a “gravata colorada”, atribuindo falsamente aos paraguaios.

    Curtir

  4. Paulo Bandarra

    Mostra que não domina o assunto.

    Curtir