Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Por que Gleisi e Lindbergh serão os primeiros a abandonar Lula

Tanto adularam o operário-símbolo do Brasil que ele acreditou ser uma criatura divina. Acreditou também que merecia um triplex como recompensa

Se é verdade que Lula está preenchendo o tédio da prisão com leitura, gostaríamos de sugerir um título que lhe será útil. Não cometeremos a maldade de indicar Caminho Suave, a famosa cartilha de alfabetização escolar, tampouco a obviedade de um clássico como Crime e Castigo, ainda que a obra de Dostoiévski seja amplamente usada nos projetos de leitura existentes em algumas penitenciárias brasileiras. A propósito, aí está uma iniciativa louvável: a cada livro lido e resenhado, os presos diminuem alguns dias de cárcere, forma mais legítima de abreviar a pena do que recorrer a habeas corpus que só seriam possíveis com a mudança da lei.

O livro que indicamos a Lula se chama Como Distinguir o Bajulador do Amigo, de Plutarco, escrito no princípio da Era Cristã. Desde aquela época se sabe que “cada um de nós é o primeiro e maior bajulador de si próprio”. Se não tomamos consciência da absurda necessidade de aprovação que trazemos da infância, facilmente nos tornamos vítimas de oportunistas que nos afagam e elogiam para tirar vantagem no final. O texto de Plutarco tem menos de 100 páginas e é muito fácil de ler. É baratinho nos sebos e, com os direitos livres, pode ser legalmente baixado da internet. Alguém por favor leve um exemplar ao ex-presidente.

Se nunca é tarde para aprender, o livro terá o efeito de uma revelação. Convenhamos, um sujeito que diz o que Lula costuma dizer em público — “não sou mais um ser humano, sou uma ideia” — precisa de um mínimo de humildade para seguir em frente. Tanto adularam o operário-símbolo do Brasil, tanto lhe deram tapinhas nas costas, tanto lamberam as suas botas com as intenções do arrivismo, que ele acreditou — ah, meu Deus! — acreditou que é um ser especial, talvez etéreo, uma força da natureza, uma mente predestinada a trazer a redenção. Ah, claro: acreditou também que merecia um tríplex como recompensa.

Depois da leitura, seria bom se Lula ficasse um pouco quieto no seu “cantinho do pensamento”, tarefa difícil com a claque acampada a alguns metros de sua cela para diariamente saudá-lo com um “bom dia, presidente!” Nada como o tempo, porém. Pagos ou não, esse pessoal logo se cansa e vai embora, assim como os maiores nomes do oportunismo político nacional, Gleisi Hoffmann e Lindbergh Farias, a Barbie e o Ken do PT, os mesmos que chegaram ao cúmulo da bajulação ao adotar o nome de Lula. Esse esmero ridículo, segundo Plutarco, é prova suficiente de que os dois são inconfiáveis, mesmo dentro do partido, e só continuarão a lambança enquanto for vantajoso.

Veja também

O grande problema para eles é que Luís Inácio foi preso por corrupção vulgar, um fato triste e comprovado, e a imprensa internacional não comprou a lorota do Mandela Barbudo da América do Sul. Houve quem apostasse que a influência de Lula cresceria com a prisão, mas as pesquisas mostram que está diminuindo, e é muito provável que, em breve, os ratos mais cabeludos do PT deem um salto ornamental no oceano. Será o grande momento individual de Lula, a sua hora da verdade, o instante em que finalmente ficará sozinho, longe dos puxa-sacos, e poderá conversar de si para consigo num grau de concentração que não experimenta há meio século.

— Por que não li esse livrinho antes?

Será o lamento solitário daquele que poderia ter sido, mas não foi.

*****

Já que livros não fazem mal a ninguém, indicamos o mesmo título de Plutarco a Gleisi e Lindbergh. Se faltar tempo ou disposição para a leitura, destacamos um trechinho especial para a dupla:

“Deve-se ajudar seu amigo em seus empreendimentos, mas não em seus crimes; deve-se ser um conselheiro e não um conspirador; um fiador, não um cúmplice; um companheiro de infortúnios, sim, por Zeus, mas não um conivente nos erros”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

  1. Nelson Marchetto

    Concordo com você caro José C, e principalmente no stf e tse!!!

    Curtir

  2. luiz s silvestre

    Concordo plenamente e acrescento: “não sou mais um ser humano, sou uma ideia”, certo; aliás, uma boa idéia 51.

    Curtir

  3. Mais uma vez, brilhante post!
    Pena que os petralhas ou não gostem ou não saibam ler…rsrs

    Curtir

  4. Ataíde Jorge de Oliveira

    -:-
    Concordo c/ NELSON ( 13h35 )
    Ressalvando, as Rosas;
    DAS Rosas: Rosas… D’aBRiL -:-

    Curtir

  5. Alberto Lopes Lapolli

    Haverá mudança no entendimento atual STF retornando à prisão só depois de trânsito em julgado oque não tem prazo em anos pra acontecer..Dai teremos que engolir esse Mala por muito tempo e até considerar o fato de da cadeia poderá vestir novamente a faixa Presidencial..Estamos no Brasil e aqui os absurdos acontecem com Políticos,só com Eles.

    Curtir

  6. Ivanroberto Gutierrez

    A revista poderia fazer apenas jornalismo, informar, sem ser tendenciosa. Sei que não existe imparcialidade na mídia, mas a VEJA está ultrapassando os limites. Vendo o que foi a revista e o que é hoje é lamentável. Mas tem público pop ara todos os gostos. Amanhã é mais. Colunista dispensado que vai reclamar que seu trabalho não foi valorizado. Fazer jornalismo dessa forma, estudar para fazer essa análise? Pena! Acredito que o jornalista dessa coluna t potencial para algo melhor.

    Curtir

  7. Moises Batista Andrade Filho

    Excelente. Ela será a 1ª pois a PGR vai pegá-la e ao marido. Em relação ao agora prisioneiro, parece que até a família vai se acostumando. Não comeram da mesma marmita, e na próxima visita vão deixar toalha, sabonete e cachaça na portaria do presídio.

    Curtir

  8. Osmar Serrragem

    Um amigo meu cantou a pedra. Esta frase ” não sou uma pesdoa, sou uma ideia” vem do filme Queimada, de Gillo Pontecorvo. O personagem de Marlon Brando, agente britanico nas Antilhas adverte os burgueses de “Queimada” a nao assassinarem José Dolores, o lider revolucionario, pois “ele vai virar uma idéia”. Quanta pretensão do lulinh@…Ou seus goat writers…

    Curtir

  9. Carlos G S Maldonado

    Tarde demais. Impossível ele ler. Tarde demais, ele tem certeza que é uma divindade, ser iluminado com poderes sobrenaturais, que não pode ser questionado e que tudo e todos devem lhe fazer reverência, seus gostos pela pompa e pelo luxo são devidos para agradar ao Deus. O triprex, o sítio, apartamento, e sabe-se lá oque mais, ele tem consigo que é muito pouco pelo que ele já fez, no íntimo acha que é justo e que a todos devem fazer vista grossa, afinal ele é o lula e não devem contraria-lo.

    Curtir

  10. Osmar Serrragem

    Não vou contar o filme, se bem que é antigo pra dedéu. Vejam. E vejam a distancia abissal entre o personagem José Dolores, analfabeto mas incorruptivel e o nosso “personagem” de sítio, filhinhos e triplex…

    Curtir