Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Zé tinha razão

“A eleição de Dilma é mais importante do que a de Lula porque é a eleição do projeto político. Porque Dilma nos representa”

José Dirceu (Beto Barata/AE/VEJA)

(Artigo publicado em 10/01/2017)

Por ora, tudo indica que Zé tinha razão. O Zé, aí, é José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil. Em setembro último, durante palestra em Salvador para cerca de 100 sindicalistas, ele profetizou: “A eleição de Dilma é mais importante do que a de Lula porque é a eleição do projeto político. Porque Dilma nos representa”.

Dirceu ainda ensinou aos sindicalistas: “Se queremos aprofundar as mudanças, temos que cuidar do partido, da organização popular. Temos que cuidar da consciência política. Temos de fazer a reforma política e nos transformar em maioria.”

Lula recusou-se a pagar o preço pedido pelo PMDB para governarem juntos entre 2003 e 2006. Aí estourou o escândalo do mensalão. De 2007 a 2010, Lula pagou o preço entregando ao PMDB seis ministérios e centenas de cargos. Então governou mais ou menos em paz e conseguiu fazer seu sucessor. O PT não gostou nem um pouco.

Agora, está gostando. “Vamos perdendo de goleada até aqui”, choraminga uma cabeça coroada do PMDB. “O PT faz conosco o que o PSDB imaginou fazer no início do governo de Fernando Henrique e depois desistiu”. No primeiro semestre de 1995, Sérgio Motta, então ministro das Comunicações, tomou uns tragos a mais e desabafou:

– Vamos comer o PMDB pelas bordas. Nosso projeto de poder é de 20 anos.

O do PT é de mais de 20. Oito já se passaram com Lula. Dilma tem quatro pela frente. Poderá ganhar mais quatro. Ou então se convoca Lula e ele garante pelo menos mais oito. Até lá, o PT terá tido tempo suficiente para suceder o PMDB como o maior partido do país. É o que está nas pranchetas de quem conduz os destinos do PT.

Dilma parece fazer muito bem o que lhe cabe. Reduziu o número de ministérios do PMDB de seis para quatro. Deu 17 para o PT. Extraiu dos quatro do PMDB as fatias, digamos assim, mais suculentas. Endinheiradas – pronto, disse.

O mais notável gesto de hostilidade ao PMDB foi protagonizado por Fernando Bezerra Coelho, do PSB, que assumiu o ministério da Integração Nacional avisando em voz alta a quem interessar possa: “Recebi ordens para tirar daqui gente ligada ao PMDB e ao ex-ministro Geddel Vieira Lima”.

O PMDB está atordoado. O PT ocupa todos os espaços possíveis no primeiro e no segundo escalões do governo – e é ele, o PMDB, quem fica com a fama de fisiológico, inimigo número um da moral e dos bons costumes na administração pública.

Não é justo, convenhamos. E os outros?

Para sair das cordas, o PMDB só terá mesmo um jeito: aprontar em breve alguma surpresa desagradável para a nova presidente. É o que está sendo amadurecido.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Anderson Barbosa

    ESSE BANDIDO NAO ERA PARA TER SAIDO DA CADEIA

    Curtir

  2. Anderson Barbosa

    ESSE BANDIDO NAO ERA PARA TER SAIDO DA CADEIA

    Curtir

  3. Anderson Barbosa

    ESSE BANDIDO NAO ERA PARA TER SAIDO DA CADEIA

    Curtir

  4. Dirceu ainda ensinou aos sindicalistas: “Temos que roubar tudo. Temos que garantir nossas polpudas aposentadorias e garantir a sobrevivência dos nos filhos, até a 10a. geração ou mais. Temos que manter isso, viu”. Assim falou Zératustra guerreiro do “povo” brasileiro.

    Curtir