Clique e assine com até 92% de desconto
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Uma campanha propositiva (por Otávio Santana do Rêgo Barros)

Melhor pressionar a tecla ENTER dos candidatos que se mostram aptos a conduzir “na ponta dos dedos” o seu destino, eleitor  

Por Otávio Santana do Rêgo Barros Atualizado em 18 nov 2020, 19h44 - Publicado em 18 nov 2020, 11h00

A festa domingueira da democracia brasileira já merece ser saudada como um dos maiores eventos democráticos nos últimos anos em nosso país. Quantos desafios! E foram superados.

O Tribunal Superior Eleitoral, com condução firme e transparente, venceu todos os obstáculos e permitiu que cerca de cento e trinta milhões de brasileiros pudessem acorrer às urnas e legitimamente escolher os seus representantes municipais da próxima quadra.

Se pudéssemos eleger o vencedor dos vencedores, ele foi, sem sombra de qualquer dúvida: o POVO BRASILEIRO.

O povo que não se deixou abater pelo medo e enfrentou, com regras sociais adequadas, o alarmante surto de Coronavírus. E votou consciente.

O povo que demonstrou uma sutil tendência de fugir ao estereótipo maniqueísta vencedor do último pleito.

O arco ideológico encaminhou-se mais para o centro do ideário político. E indicou possíveis mudanças!

Alguns destemperados poderiam jocosamente “viralizar” mais uma piada de mau gosto: “são uns isentões”. Aliás, até pouco tempo, quase uma ofensa contra pessoas menos propensas ao confronto.

Mais de cinco mil municípios encerraram suas disputas e precisarão, os eleitos, se organizarem para transformar a vontade do povo expressa nos votos, em ações que dignifiquem ainda mais o processo democrático.

Entretanto, duelos importantes, sobretudo em colégios eleitorais de capitais, ainda se desenvolvem. O caldo resultante dessas disputas mais emblemáticas, por certo, influenciará nos próximos dois anos o ritmo, as alianças e os processos para a seleção aos postos de maior relevância nos legislativos e executivos em todo o país.

A frase mais ouvida nas muitas entrevistas concedidas a órgãos de imprensa pelos candidatos ainda em disputa foi: desejo uma campanha propositiva.

Continua após a publicidade

Surpreendeu-me o uso dessa expressão. Ora bolas!

Alguém busca convencer pessoas, em contenciosos eleitorais, que não seja propondo ideias a realizar?

Como sempre existe uma exceção. Até se pode tentar esse caminho pantanoso, sob determinadas circunstâncias e em curtos períodos de tempo.

É quando as ideias são transformadas em vagas de ódio para fortalecer a sanha de seguidores inescrupulosos; é quando o concorrente passa a ser um inimigo a ser eliminado; é quando o programa de governo a ser desenvolvido não passa de uma quimera, mas oferece pão e circo aos eleitores menos preparados para a escolha consciente. Aí não se apresentam propostas, apenas rancor, ódio e engodo.

É por isso mesmo eleitor, passada a adrenalina desse primeiro embate, que você deve refletir e se preparar para expurgar líderes que conduzem a sua trajetória política como se guiasse carros desgovernados.

A cada curva, um freio de supetão para mostrar quem manda. A cada chicana, uma mudança de postura, ansiando obter vantagens ao passar reto onde deveria reduzir a velocidade. A cada falta de combustível, uma parada para abastecer com apenas um galão que o leve até o próximo posto. A cada infração à regra, um pedido de reconsideração, mesmo sabendo que não lhe é merecido o perdão.

Melhor pressionar a tecla ENTER dos candidatos que se mostram aptos a conduzir “na ponta dos dedos” o seu destino, eleitor.

Candidatos que demonstrem conhecer verdadeiramente os problemas da sua urbe. Que utilizem planejamentos claramente factíveis e que, em consequência, tenham foco para chegar até a linha da vitória, conquistando para vocês o troféu mais importante: o da paz e o do bem-estar social.

Paz e Bem!

 

Otávio Santana do Rêgo Barros é general do Exército e ex-porta-voz da presidência da República. Escreve aqui às quartas-feiras 

Continua após a publicidade
Publicidade