Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Sobre José Negreiros

Negreiros, como era conhecido, foi mais do que um excelente jornalista – era uma figura humana excepcional

Por Murillo de Aragão 15 fev 2018, 14h00

Já escrevi aqui mesmo, no Blog do Noblat, sobre amigos que se foram. Mas nunca foi tão doído como agora. Perdi um irmão e um amigo de muitas jornadas, com quem compartilhei sonhos e projetos. E que sempre tinha uma opinião precisa sobre os acontecimentos. Negreiros, como era conhecido, foi mais do que um excelente jornalista – era uma figura humana excepcional, dono de um imenso sentido de justiça, solidariedade, lealdade e compaixão.

Como profissional, recolhia suas observações com perícia e, a partir daí, exercia sua ampla capacidade analítica. Além de conhecer tudo sobre política e sobre a alma dos políticos, tinha a cultura e a sensibilidade que hoje falta a muitos que estão no ofício. Tudo temperado com um bom humor inoxidável, que o acompanhou mesmo nos últimos tempos, quando a doença já o castigava. Era um sábio, uma espécie de Yoda que não envelheceu, tornou-se vintage com o passar dos anos.

Compartilhei com ele dúvidas e sofrimentos, esperanças e alegrias. Tenho uma dupla e profunda tristeza, porque, além de sentir a perda do amigo, sinto que poderia ter aproveitado mais a sua companhia. Devo a Raul Velloso o privilégio de ter conhecido Negreiros, a quem devo a minha amizade com Ricardo Noblat e Ana Dubeaux. Negreiros conectava as pessoas. Sabia ver o melhor de cada uma e o que não funcionava nelas. E quase sempre seu vaticínio se revelava correto.

Negreiros conviveu por muitos anos com meus filhos, Thiago e Lucas, e com meu sobrinho e sócio Cristiano. Foi mais do que um professor para nós: nunca ficou atrás dos acontecimentos e sempre soube antever os desdobramentos dos fatos no mundo. Era dono de uma preciosa curiosidade que o impulsionava a querer saber mais. Que Deus o receba com todas as homenagens que um homem de bem merece. Ser seu amigo foi uma honra. E um grande aprendizado.

Murillo de Aragão é cientista político 

Continua após a publicidade
Publicidade