Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Seis a cinco contra Lula (ou a favor. Faça sua escolha)

A bola está no pé da Rosa

Por Ricardo Noblat 22 mar 2018, 08h00

Pelo menos cinco dos atuais 11 ministros do Supremo Tribunal Federal continuam a favor da prisão em segunda instância da Justiça. Votaram assim há dois anos e já indicaram com clareza que votarão assim outra vez se o assunto for reexaminado.

Quem mudou seu voto, antes a favor da prisão em segunda instância, foi o ministro Gilmar Mendes. Alega que pensou melhor e coisa e tal. O ministro Teori Zavascki, que havia votado a favor, morreu. Seu substituto, Alexandre de Moraes, se tiver que votar, votará contra.

A ministra Rosa Weber votou contra a prisão em segunda instância. Mas desde então ela tem votado contra a concessão de habeas corpus em respeito ao entendimento firmado há dois anos pela maioria dos seus colegas favorável à prisão em segunda instância.

Se Rosa, portanto não mudar de opinião, e se nenhum outro ministro mudar, o pedido de habeas corpus apresentado pela defesa do ex-presidente Lula para evitar que ele seja preso será negado por seis votos contra cinco na sessão de logo mais à tarde do tribunal.

Os juízes de Porto Alegre se reunirão na próxima segunda-feira para confirmar ou rever a condenação de Lula a 12 anos e um mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá. O mais provável é que confirmem.

Ele então poderá ser preso de imediato. Uma vez preso, sua defesa entrará no Supremo com um novo pedido de habeas corpus. O Supremo estará de folga na próxima semana. Na melhor das hipóteses para Lula, ele ficaria preso por algum tempo. Na pior, por um longo tempo.

Continua após a publicidade

Publicidade