Clique e assine a partir de 8,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Os pitboys do Bolsonaro (por Guga Noblat)

Lutadores ameaçam manifestantes antifascistas

Por Guga Noblat - Atualizado em 30 jul 2020, 18h53 - Publicado em 6 jun 2020, 09h00

Enquanto Jair Bolsonaro inflama cada dia mais o discurso contra manifestantes antifascistas chamados pelo presidente de “terroristas”, um grupo de lutadores profissionais de MMA se organiza para partir para cima deles. Incomodados com os protestos a favor da democracia promovidos no domingo passado nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro que terminaram em tumulto, eles prometem vingança. São atletas, treinadores e praticantes de artes marciais que usam as redes sociais para formar uma milícia com intuito de enfiar a porrada em manifestantes apontados como antifascistas. Claro que eles sempre se apresentam no papel de herói, como se fossem defender os mais fracos.

Um dos mais exaltados é o atleta André Chatuba. Ele lançou uma Fake News numa rede social para espalhar que antifascistas “agrediram idosos e mulheres”. Ao lado de outros lutadores e treinadores de MMA, Chatuba convoca praticantes de artes marciais para atos de violência neste domingo em Copacabana, na Zona Sul do Rio. Entre as trocas de mensagens, André recebe o apoio do treinador da equipe Renovação Fight Team (RFT) Felipe Borges e Tales Silva, ex-companheiro de treinos de Anderson Silva.

Reprodução/Reprodução
Rede Social/Reprodução
Rede Social/Reprodução
Rede Social/Reprodução

Na mesma postagem, Chatuba, que foi acusado de agredir uma namorada grávida em 2012, troca mensagens com Mauro Ribeiro de Paiva, integrante da Torcida Fúria Jovem Botafogo e com passagens por homicídio e tentativa de homicídio. Na conversa, André Chatuba lamenta que os manifestantes pela democracia não tenham sido alvejados com disparos por arma de fogo.

Rede Social/Reprodução

Quem também usou as redes sociais para convocar pitboys foi Renzo Gracie, integrante da família fundadora do jiu-jitsu brasileiro, e Igor Araujo, ex-atleta do UFC.

Rede Social/Reprodução
Rede Social/Reprodução

Renzo é um conhecido apoiador da família Bolsonaro e sempre posta ou compartilha mensagens de intolerância, com ameaças diretas ou indiretas, a opositores de Jair Bolsonaro. Em 2019, ele foi nomeado pela Embratur “embaixador do turismo internacional do Brasil”. Em agosto do mesmo ano, o faixa-preta causou uma crise diplomática ao ofender e ameaçar o presidente francês Emmanuel Macron e sua esposa Brigitte Macron. Nos prints abaixo, ele retuita a convocação de lutadores e “atiradores” para a manifestação.

Rede Social/Reprodução
Rede Social/Reprodução

Não é de hoje que o “mundo da luta” flerta com a cartilha bolsonarista e forma uma base de apoio ao Governo. Dois dos seus principais expoentes são os lutadores Wanderlei Silva, que liderou na última terça-feira, em Curitiba, uma manifestação contrária ao movimento antifascista, e Paulo Borrachinha, amigo de Jair e de seus filhos. Com bastante frequência, Borrachinha se vale de seu perfil nas redes para negar as causas do coronavírus e fazer ataques homofóbicos a opositores políticos.

Rede Social/Reprodução
Rede Social/Reprodução
Rede Social/Reprodução

Abaixo, um vídeo convocação de pitboys do Bolsonaro para encarar antifascistas. Usam o discurso de que estão indo para se defender, soltam frases de efeito como “estaremos prontos para qualquer coisa” e “nunca se mexe com um cidadão de bem”. E pedem também que a federação de Jiu-Jitsu casse a faixa-preta de Alexandre Frota, deputado visto como oponente político de Bolsonaro.

Continua após a publicidade
Publicidade