Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O custo da desconfiança

Para Paulo Guedes, atropelado, nada será como antes

Por José Casado Atualizado em 30 jul 2020, 19h48 - Publicado em 16 abr 2019, 10h00

Por José Casado

Insone, Jair Bolsonaro tem passado os dias caçando fantasmas do comunismo, sepultado há três décadas. Agora resolveu renovar a fé no socialismo de direita, jabuticaba descrita pelo humorista Millôr Fernandes.

Bolsonaro reinaugurou o sistema de controle de preços em privilégio da minoria de empresários e profissionais autônomos cujos lucros oscilam com o preço do diesel da Petrobras. Uma iniciativa de clientelismo antimarxista, replicando práticas dos adversários Lula e Dilma, que levaram a empresa à bancarrota.

Na quinta-feira, ele ouviu preocupações do chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, neoconservador gaúcho, com as finanças dos “caminhoneiros” — pessoas físicas e jurídicas.

O governo já os atendera em março, impondo reajustes quinzenais à Petrobras. Desta vez, rejeitavam o aumento (5%). Onyx sugeriu, Bolsonaro chamou o presidente da petroleira e revogou a mudança.

Continua após a publicidade

O telefonema foi breve, mas suficiente para colocar o governo na lista de exemplos da teoria do caos aplicados à política: pequenas mudanças podem provocar efeitos imensuráveis e imprevisíveis, como mostrou o cientista Edward Lorenz há 56 anos.

A renovação da fé de Bolsonaro no socialismo de direita se traduziu em perdas (US$ 8 bilhões) para a Petrobras num só dia. Numa conta de padeiro, é mais que o dobro da dinheirama que Michel Temer gastou no ano passado com subsídios às empresas e profissionais caminhoneiros.

Incalculável e perene é o custo da desconfiança política que o presidente e seu chefe da Casa Civil semearam no próprio governo. Por que um investidor, nacional ou estrangeiro, agora deveria acreditar e apostar seu dinheiro na ilusão de uma economia liberalizada ou de uma Petrobras autônoma?

Onyx, conservador num partido que se diz liberal (DEM), escancarou a luta pelo poder. O desfecho é imprevisível, mas já se sabe que para Paulo Guedes, ministro da Economia, nada será como antes — a não ser que acabe aderindo ao socialismo de direita. 

Transcrito de O Globo

Continua após a publicidade
Publicidade