Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Deixe o general falar!

Um vírus chamado Mourão

Por Ricardo Noblat Atualizado em 30 jul 2020, 20h18 - Publicado em 28 set 2018, 07h00

Uma infecção adiou a alta hospitalar do deputado Jair Bolsonaro (PSL) prevista para hoje. Ele embarcaria para o Rio de Janeiro em grande estilo – aos cuidados da Polícia Federal, na companhia de pelo menos 12 pessoas, e em avião de carreira. Seria aclamado à partida e à chegada. Glória a Deus!

Segundo o boletim médico, é normal que a retirada de um cateter provoque leve infecção a ser superada em questão de dias. O que ele talvez não supere até o fim da eleição e mesmo depois dela será o efeito corrosivo da infecção que atende pelo nome de Mourão. Ela é muito mais perigosa.

Quando o general da reserva, seu vice, fala alguma coisa – qualquer coisa -, é certeza de encrenca, e das brabas. Mourão não entende de nada – nem de economia, mas isso Bolsonaro também não entende, nem de política, e isso Bolsonaro razoavelmente entende.

O enfermo do Hospital Albert Einstein foi obrigado a postar uma nota nas redes sociais desautorizando Mourão pelo o que ele havia dito em palestra para empresários gaúchos. Mourão investiu contra o pagamento do 13º salário e de férias remuneradas, “jabuticabas brasileiras”, segundo ele. Coisa somente nossa.

Os adversários de Bolsonaro agradeceram a Mourão pela ajuda. A cizânia instalada em uma campanha sem comando alastrou-se como um vírus. O general inimigo dos trabalhadores brilhou à noite nos programas de propaganda eleitoral no rádio e na televisão. Bolsonaro arrisca-se a ir para o segundo turno em segundo lugar.

Continua após a publicidade
Publicidade