Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

De volta para o futuro às vésperas do maior colapso hospitalar

História que se repete como farsa

Por Ricardo Noblat Atualizado em 18 mar 2021, 14h40 - Publicado em 18 mar 2021, 08h00

Se um marciano, que sobrevoou o Planalto há um ano, tivesse retornado para ver como as coisas estão, seria capaz de imaginar que regulara sua nave para uma viagem de volta ao passado. Ou, em se tratando do Brasil, uma viagem de volta ao futuro.

Passado e futuro deram-se as mãos, ontem, em cenários distintos. Num deles, anunciou-se mais um recorde na média móvel de mortos e de infectados pela pandemia. O país avança na direção do maior colapso sanitário hospitalar da sua história.

No outro cenário, o governo do presidente Jair Bolsonaro deu-se ao luxo de exibir um par de ministros da Saúde seguros de si – um do que acha que fez muito, o outro do que pretende fazer, ambos em perfeita sintonia e a baterem na tecla da continuidade.

É tudo o que o Brasil não precisa – continuidade. Uma simples passagem de bastão entre o ministro que sai, o general Eduardo Pazuello, especialista em logística capaz de trocar Rio Branco por Manaus, e o que entra, Marcelo Queiroga, médico bolsonarista.

Pazuello apresentou Queiroga como uma pessoa que “reza” pela mesma cartilha sua, o que, a ser verdade, é uma péssima notícia. A dar-lhe razão, Queiroga, entusiasmado, recitou o bordão do seu novo chefe: “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”.

À falta de quem se dispusesse a louvá-lo, Pazuello declarou com o peito estufado como de costume: “Vou entregar a ele um ministério estruturado, organizado, funcionando e com tudo pronto”. (Do alto, o marciano observava cada vez mais intrigado.)

Continua após a publicidade

Ao que completou Queiroga, com a pompa requerida pelas circunstâncias: é necessária “uma união nacional para o enfrentamento à pandemia.” Em seguida, animados, os dois pregaram como se o vírus fosse um recém-chegado por aqui.

O general: “Vamos mudar hábitos. Hábito de usar máscara, de lavar as mãos. Hábito de manter o grau de afastamento social. Vamos trabalhar, estudar, ensinar, treinar tropas, produzir, viver normalmente com cuidados preventivos. Essa é a nossa missão.”

O médico, que nunca ocupou um cargo público em sua vida, prometeu dar “início ao maior programa de imunização do país”, mas logo acrescentou de modo a não ser mal interpretado, arriscando-se a perder o emprego tão depressa:

– A política pública colocada no governo, não só no Ministério da Saúde, é a política do governo federal, do presidente da República, que foi eleito pelo povo brasileiro.

O marciano deu partida na sua nave convencido de que passado e presente nesta parte do planeta se fundiram para atrapalhar a construção do futuro.

Leia também:

  • Covid-19: mortes por dia no Brasil mais que dobram, na contramão do mundo.
  • Queiroga diz que unificará protocolos em UTIs do país.
  • Nas redes, bolsonarismo apoia vacina do covid-19 e novo ministro, mas ataca lockdown.
Continua após a publicidade

Publicidade